13 fevereiro 2011

nos dias 13 de Fevereiro sinto-me sempre muito feliz por não morar nos EUA

Véspera de São Valentim: fica tudo maluco.
13 de Fevereiro era o dia em que os meus filhos tinham de fazer cada um 30 cartões de São Valentim, e nem podiam recusar-se a escrever para aqueles de quem não gostavam, coitados! 
Este Valentim saiu-me um santo muito promíscuo.
E estes americanos desvalorizam tudo: ele é um vê se te avias de oh great, oh gorgeous pelas coisas mais comezinhas, ele é um good job por insignificâncias, ele é um "I love you" obrigatório para 30 colegas da escola. Que inflação dos afectos! Quando gostarem mesmo, vão dizer o quê? 

8 comentários:

A. Castanho disse...

Nada. Assim nunca aprenderão a gostar mesmo. Pois é, sinto-me tal como tu, mas não apenas pelo dia treze de Fevereiro, antes por todos e por cada um: sinto-me incapaz de imaginar o desgosto que será "viver" nos Estados Unidos. Muito embora haja cada vez mais gente em Portugal a "viver" assim..

A. Castanho disse...

Muito principalmente em Lisboa, claro...

Helena disse...

ah, já tivemos esta conversa. Não gostas dos EUA, pronto, leva lá a bicicleta.
;-)

O dia de S.Valentim era muito pateta, lá isso era. Mas na mesma escola fizeram coisas formidáveis, que nunca vi em mais escola nenhuma. O cuidado de integrar os miúdos de culturas diferentes e valorizar a sua cultura de origem como uma mais-valia para todo o grupo era algo excepcional.

Vera disse...

Detesto o lado comercial e kitsch do S.Valentim, como o do Halloween e coisas que tais ...
Mas começo a dar valor ao entusiasmo (infantil e ingénuo, é verdade)que na América dão a coisas pequeninas e, seja, comezinhas . Pequenos prazeres de gente com mente simples podemos mesmo dizer.
"Isn't it gorgeoooooous ? oh my goodness, I loooooove this !" e afinal estão só a falar de , por exemplo, uma pedrinha pintada ... E são felizes assim. Mas a vida é afinal feita de pequenos prazeres, ou estamos à espera do quê para nos entusiasmarmos ? ;-)

Helena disse...

Valorizar as coisas pequenas é sem dúvida um segredo de felicidade.
Mas será que é realmente valorizado? Ou são pelo contrário as palavras que perdem o valor?
Como o "how are you today?" em cada loja, que me deixou completamente desconcertada da primeira vez que ouvi. Ou o "good job", que não vale nada. Ou esse "how gorgeooooous" - se é usado para uma pedrinha pintada, o que sobra para exclamar perante um fantástico fogo de artifício?

mafalda disse...

adorei o post :) estou a morar nos eua, desde jabeiro, e passei hoje o meu primeiro são valentim... nada me tinha preparado para isto (eles não mostram isto nos filmes!!!). minha alma ainda tá parva!

Helena disse...

Mafalda,
imagino a cena, hehehe.
E que fazer depois àquele monte de lixo cheio de frases queridinhas em cartões baratex que já se compram em grupos de dez?

Vera disse...

ahaha com um fogo de artíficio entram em histeria colectiva ! Noutro dia o festival de Inverno (umas estátuazinhas de gelo espalhadas pelos jardins da cidade :::) começou precisamente por um fogo de artíficio e, num dia de temperaturas muito muito negativas e vento gélido, uma multidaão de gente velha e jovem encheu as ruas TO ENJOY o espectaculo !...
Quanto às conversas superficiais nas lojas é verdade, surpreeendi-me também eu. Mas afinal, marketing oblige ! (ou cortesia pura ?) : com vinagre não se apanham moscas ...
Muito interessantes os apontamentos do teu blog, como aquele de hoje, sobre como é politicamente correcto ignorar as nossas raízes cristãs ...