11 dezembro 2011

lunáticos

Ontem, em frente aos edifícios da Bauhaus em Dessau, parámos a observar a lua.
- Ainda ontem estava cheia, dizia alguém, e agora falta-lhe aquele bocado enorme.
- Só pode ser uma nuvem, respondi eu.
- Então não vês que as nuvens estão bem mais baixas?, argumentava um terceiro.

No regresso a Berlim, a lua estava cheia, magnífica. "Afinal era mesmo uma nuvem", pensei eu, vitoriosa.
"Foi um eclipse lunar", informou-me o Matthias, no skype um pouco mais tarde. Não há dúvida: que seria de mim, sem as informações que me chegam dos EUA?






(gostava de mostrar melhores fotografias, mas só tinha o telemóvel e, também para variar, estava atrasada)

2 comentários:

snowgaze disse...

sao umas fotografias muito bonitas. :) estava aqui a pensar qual seria a tua tecnica e depois li a ultima frase... portanto: pressa e telemovel, e estar no sitio certo 'a hora certa. :)

Helena disse...

As deste post são com o telemóvel, e são fraquinhas. As das casas dos mestres é que foram feitas com uma coisa a que se pode chamar mais máquina fotográfica. Mas a verdade é que tive uma sorte incrível: aquele sol de inverno baixo faz milagres.