23 agosto 2013

já cá venho contar o que tenho andado a fazer...



Já cá venho contar o que tenho andado a fazer - por agora não posso, devido a andar muito ocupada com o propriamente dito.
(E não, não ando a treinar esse expoente máximo da nossa língua que é o português dos relatórios da Polícia. Foi só porque é sexta-feira, lá fora está um sol lindo, vamos passear para Potsdam, e apeteceu-me.)

Para já, conto o que vou fazer: mais logo, às sete da tarde (seis em Portugal), vai haver um grupinho de portugueses sentado nos bancos do coro por trás da Filarmónica de Berlim, a assistir ao concerto de abertura da temporada. Nós de um lado, o Simon Rattle no meio, o presidente da República do outro lado, todos unidos pela música de Mozart.
(hehehe, daqui a uns aninhos, posso enganar os meus netos contando-lhes daquela vez que fui com o Joachim Gauck ouvir a Júpiter do Mozart) 

E porque vens tu para aqui contar estas coisas, Heleninha?
É só porque queria avisar que quem quiser brincar ao "onde está o Wally", pode inscrever-se neste site, e assistir ao concerto no Digital Concert Hall. É um presentinho do Deutsche Bank.
(Eu sei, eu sei, os presentinhos que os portugueses gostavam de ter do Deutsche Bank são outros. Mas foi o que pude arranjar.)

9 comentários:

Isabel Barroco disse...

Andam numa rica vidinha, andam...
E eu aqui, invejosa! :-)

jose disse...

Muito obrigado,estimada Helena,pela
informação.Como,por razões troikanas e pela terceira vez na vida,não posso subscrever o plano de transmissões regulares(e i)da Filarmónica(não lhes perdoo terem tratado mal Abbado)aderi
entusiasticamente a esta oferta do Banco Alemão.À hora exacta lá fui eu
ao link disponibilizado e lá está o aviso:--só "bilhete de gare" e 15 minutos antes da viagem,para ver
os comboios...agora vá-se embora.
Sovinas,marranos(termo português
consagrado).
Em todo o caso obrigado pela sua
amabilidade.

Helena disse...

José,
eles tinham avisado que a oferta era limitada a um determinado número de inscrições. Que pena!
Mas escreva para lá, diga que tentou ter acesso e não conseguiu. Pode ser que lhe ofereçam um voucher para 24 horas (já me aconteceu: escrevi a dizer que tive problemas técnicos, e eles deram-me um voucher). Daqui a uma semana, mais ou menos, este concerto já vai estar disponível no DCH.

jose disse...

Muito obrigado,cara Helena,pelo seu interesse e conselhos.
A minha vontade é "mudar-me" para a Filarmónica de Viena...mas desconfio que esteja pior.Olhe,há muitos anos e vou citar de memória,li na Gramophone
ou noutra afim,uma entrevista ao então primeiro violino da Filarmónica de Berlim em que este previa,depois da morte de Karajan,o fim da era dos maestros com carisma e que,além dos conhecimentos técnicos possuíam um superior conhecimento e amor pela grande Música permitindo-lhes leituras pessoais dos clássicos sem os atraiçoar e sobretudo não os "secar";"agora só resta Carlos Kleiber,os novos são muito bons tecnicamente mas não são Furtwangler,isso acabou".Para mim já tinha acabado quando Karajan juntou a grande competência ao marketismo desenfreado.Por alguma razão Menuhim,Barenboim,Abbado e o mesmo Karajan(embora nem sempre se possa levar a sério)se refiram a Furtwangler como A REFERÊNCIA.
Isto que me aconteceu é apenas um
"sinal dos tempos"...
Cito Karajan e termino:-"Carlos Kleiber só volta aos ensaios quando
tem o frigorífico vazio".Acabou.

Teresa disse...

E eu (que saio sempre daqui mais rica, é o blogue, é a Helena), venho apenas depositar um presente, dois presentes. A grande diferença entre os nosso leitores, querida Helena, é apenas numérica. Eu com poucos e bons (tirando alguns tontos, concedo), tu com muitos e bons. Logo, dedução básica, muitos que seguramente amarão os dois FABULOSOS documentários de que em tempos falei na Gota, que comprei a preço muito simpático na Amazon lá por 2005. E partilhar é das melhores coisas que conheço. Cá vão eles:

The Art of Conducting: Great Conductors of the Past
http://www.youtube.com/watch?v=LYnqU4AJvtA

The Art of Conducting: Legendary Conductors of a Golden Era
http://www.youtube.com/watch?v=Crfs0yJWC8s

Helena disse...

Teresa,
tenho sérias dúvidas sobre essa história da diferença numérica. Mas não tem importância nenhuma: os leitores deste blogue que se dão a conhecer nos comentários são o orgulho da casa.
Obrigada pelo presente! Maravilhoso. Já vou tratar de divulgar em sítio mais visível.

jose disse...

Eu nem vim aqui agradecer,já o fizera lá.De facto toca-me profundamente toda essa geração que desapareceu,como dizia Clemens Helberg na entrevista sobre a sucessão de Karajan.Não podemos esquecer que esses grandes maestros transportavam a herança anterior,do séc. XIX,retratada no livro de Stefan Zweig "O Mundo de Ontem";os maestros
Bruno Walter,Otto Klemperer,Mengelberg trabalharam com e foram apoiados por Mahler,Furtwangler afirmava dever a Nikisch,Karajan trabalhou com Weingartner que sucedeu a Mahler depois das judiarias que a este fizeram...Foi de facto uma geração de oiro na interpretação da grande Música,bem documentada nos vídeos que a Teresa (e a Helena)nos divulgou.

Teresa disse...

Que engraçado referir O Mundo de Ontem, José! Desconfio que a Helena terá sorrido, sabendo que eu ia sorrir também. É que há uns três ou quatro anos digitalizei algumas páginas do livro para lhe enviar. Lembras-te, Helena? :)

Helena disse...

Agora que me dizes, lembro, Teresa.
Oh Alzheimer mio... :(