08 setembro 2012

estou aqui a pensar se isto dava uma parábola...



(Foi o meu filho que me mostrou este filme. Achei graça, mas fui ver os outros do Rémi Gaillard e pareceu-me parvo: um tipo que faz humor a chatear as pessoas. Depois cheguei ao filme em que ele se mete no meio da equipa vencedora da taça de França de 2002, cumprimenta o presidente, posa para os jornalistas, dá autógrafos aos fãs - e ninguém nota que ele não é jogador dessa equipa. Provavelmente também dava uma parábola, mas hoje tenho os neurónios constipados. Os neurónios e não só - aquele concerto do Leonard Cohen deu cabo de mim!)

4 comentários:

Paulo disse...

O Leonard? Conta, conta.

Helena disse...

Contei, contei.
Mandei o texto para a Berlinda. A ver se sai em breve!
(Vá, faço um resumo para ti: o que mais nos toca é a delicadeza daquele homem. "Um senhor, um senhor", como diz uma amiga nossa. Gostei de ouvir todas aquelas músicas, claro, mas enervei-me um bocadinho com os arranjos de organeta à maneira dos anos setenta.)

Paulo disse...

Danke. Esse tipo de arranjinhos também me enerva.
Fico à espera de mais detalhes na Berlinda.

Helena disse...

também eu, hehehe...