23 julho 2011

correio das ilhas (31)

Olá, Rita

as férias do Joachim estão a terminar. No domingo lá volta ele para a vida real. Eu sigo com os miúdos para o Alentejo (eles tem um cão em Estremoz, e outras amizades caninas em Évora, pelo que o Alentejo é-lhes sinónimo de aventuras mil, e um vê-se-te-avias de festinhas e muito amor para dar). Na quinta-feira é a vez da Christina regressar. O Matthias e eu ficamos ainda uns dias - primeiro perto de Coimbra (mais amigos! isto é cá um stress...) e depois na Casa do Padeiro, para dar uma nova oportunidade à praia e ao meu triângulo das Bermudas.

Para trás ficam três semanas à nossa maneira de férias portuguesas, com família e amigos, muitos bons encontros e boas conversas. Não é que se descanse muito, mas não é bem para isso que venho a Portugal (o Joachim tem outra opinião, e isto seria tema não para um post mas para um tratado dos casamentos interculturais, que começaria com um conselho às jovens portuguesas: "não se casem com estrangeiros!" - que seria depois traduzido para alemão, com um conselho aos jovens de lá: "não se casem com portuguesas, porque elas nas férias fazem um rally Portugal que vos deixa doidos"). Adiante.

Fizemos de novo aquele encontro anual da família e dos amigos que conhecemos desde que nascemos, os filhos dos amigos dos nossos pais. Estas festas deixam-me de coração cheio, e agradavelmente surpreendida: que estranha matéria é a destas amizades que nos predispõe a gostar dessas pessoas que passamos anos sem ver, e dos companheiros que escolheram, e dos seus filhos? Se o que nos une são momentos que, de tão antigos, já esquecemos, de onde nos vem esta confiança e esta vontade de partilhar pontes?

E agora com licencinha e adeuzinho, que temos muito que passear.

2 comentários:

sem-se-ver disse...

ohh... vais a coimbra e eu só lá pararei em meados de agosto... tive pena.

manda um abraço à minha cidade, sim? (e não percas o parque ribeirinho!)

Helena disse...

Andamos mesmo desencontradas.
A ver se no próximo ano isto corre melhor!
Mas tabém não é bem Coimbra, é mais a norte. Eu é que, como estava a escrever em Lisboa, achei que não era preciso dar coordenadas detalhadas da paisagem... ;-)