16 julho 2011

correio das ilhas (23)

Olá, Rita

tenho andado a ser feliz na FNAC. Ontem numa do Porto, hoje em Guimarães. Passado o choque inicial dos electrodomésticos e assim, passado o choque secundário de nenhuma ter o "meu livro" (de onde se prova que foi um best seller: esgotou que foi uma coisa espantosa...), chego à secção de CDs portugueses e brasileiros e começo a babar. Hoje a felicidade foi tanta que a minha carteira começou a ter palpitações (pobrezinha: nas férias fica com os nervos em franja). De modo que agarrei em mim pelo cachaço, e amandei-me para fora daquele antro de perdição. Bem contra a minha vontade, mas isso já se sabe que os desvios do vício são assim.   
(os desvios do vício são os desvícios?)

4 comentários:

sem-se-ver disse...

ri-me com o parentesis final.

fnac? melhor nem ir lá, que os tempos estão difíceis... sorte é não ter nenhuma aqui onde vivo.

(é tão bom ir sabendo das vossas férias! sempre foram à spalding?)

(salvo seja!)

Paulo disse...

São desvícios colossais.

Helena disse...

sem-se-ver,
eu também não tenho nenhuma nos sítios onde vivo, por isso os desvícios ficam ainda mais colossais ( ;-) para o Paulo) que habitualmente- é aquela coisa terrível do "agora ou nunca".

Sim, fomos à Spalding. Andava a pensar fazer um post, mas este meu stress de tempos livres e amigos e internet ao fundo do quintal...
Foi um bom concerto, um óptimo concerto. Gostei especialmente das partes em que entravam os violinos, gostei do jogo das vozes e gostei muito da percussão. Tive pena que o Coliseu estivesse tão vazio. Além do mais, gosto mais de concertos destes em salas bem mais pequenas, intimistas.Também achei estranho que o público estivesse tão estático. Nem um pequeno oscilar do tronco ao ritmo da música? Só eu: parecia um sempre-em-pé...

sem-se-ver disse...

nao me surpreende: mal vi que era nos coliseus pensei 'estes gajos estao doidos! onde é que a spalding é conhecida e amada por tanta gente??' e claro que o cd exige um ambiente mais intimista.

enfim. portugal.