09 novembro 2016

8.11.2016: o dia em que os ingleses passaram de patetas a visionários




Agora com licencinha, vou estudar até saber de cor todos os livros de História Universal que encontrar.

--

Contando feijões:

- Ainda bem que me atrasei a pagar os impostos, pode ser que já não seja preciso.

- Não vou comparar o discurso da vitória do Trump com o do Obama - mesmo poupando o dinheiro dos impostos, não me ia chegar para os antidepressivos.

- As bolsas na Ásia estão em queda, e o dólar está a baixar. Espero que aquelas multas de milhares de milhões de dólares que os EUA obrigaram a VW e o Deutshe Bank a pagar ainda não tenham sido saldadas, porque se esperarem mais um bocadinho vão poder pagar com o que lhes sobra em caixa no fim do mês.

- É uma grande ironia que a mulher de um candidato que ganhou a presidência com o slogan "the economy, stupid" tenha perdido para o idiota que prometeu grandes mudanças na economia.

--

Muito a sério:

- O mais assustador é a vitória de um discurso que arrasa todos os valores que considerávamos conquistas indiscutíveis da civilização - alguma coisa está a correr muito mal na Democracia.

- Também assustador é saber que o Trump (o tal do discurso primário, o tal sem cultura política nem histórica nem nada) tem o poder sobre o arsenal nuclear do exército mais poderoso do mundo. Lá se vai a ilusão de que as "nossas" bombas nucleares estão em mãos seguras.

- Por outro lado, sinto-me curiosa: podemos estar a assistir ao início do fim da globalização. Como é que as economias vão reagir?

- A surpresa dos jornalistas também devia ser objecto de estudo - até ao fim do dia 8.11.2016 andaram a noticiar o que era, ou andaram - involuntariamente - a noticiar o que queriam que fosse?


Em todo o caso: apertem os cintos, estamos a entrar em zona de turbulências.
Lá me vou eu aos compêndios de História Universal.



2 comentários:

Pedro Polónio disse...

de facto, os jornalistas (& muito provavelmente, a grande maioria dos comentadores dos nossos meios de comunicação) andaram a noticiar o que eles próprios faziam... & nunca se preocuparam em ir ler o que o "americano médio" escrevia/pensava sobre os dois candidatos.

Alter Ego disse...

Acho que a base de isto tudo é o declinio da moral, no geral... foram havendo cedencias minusculas, a cedencias minusculas. e de repente nada importa, não interessa o background, não interessa a envolvente, interessa apenas o discurso que eu carinhosamente intitulo, "banha da cobra". É o retorno ao "far-west"...