27 junho 2015

Obama!

Vivi a esperança de que Obama pudesse mudar o mundo. Vivi a desilusão de ele não o ter mudado tanto quanto sonhei (quanto ele próprio sonhou). Vi-lhe os cabelos a enbranquecer. Vi-o enredado em jogos de poder e contradições. Perguntei-me se é preciso tanto trabalho para eleger um presidente, se depois não manda quase nada. E depois há momentos assim, como aconteceu esta semana, que ficam para a História:







2 comentários:

Sandra Bettencourt disse...

Mas depois também há momentos destes:

http://www.theguardian.com/us-news/video/2015/jun/25/barack-obama-lgbt-heckler-immigration-white-house-video?CMP=fb_gu

Esperava outra postura: A minha casa! Os "bons costumes" moralistas e paternalistas! A sobranceria! O autoritarismo! É demasiada coisa junta em tão curto espaço de tempo.

Helena disse...

Eu gostei da postura dele nesse momento.
Aliás, esteve para ser o terceiro vídeo do meu post. :)
Não é sobranceria nem autoritarismo. É simplesmente exigir que as pessoas respeitem regras básicas de boa educação. Não se interrompe uma pessoa que está a falar, e muito menos quando se é convidado na sua casa. E ainda menos se quem está a falar é o presidente da República, no desempenho desse mesmo papel.
Estava a ver este vídeo e a pensar no que a minha vizinha dizia sobre a rainha de Inglaterra: uma série de regras que as pessoas gostam de respeitar. Mais: que aconteceria se as regras não fossem respeitadas? Se as pessoas a começassem a tratar como "apenas mais uma pessoa"?
Penso que a vida em sociedade ficaria ainda mais complicada se todos os sentíssemos no direito de interromper os discursos e faltar ao respeito aos outros.