10 maio 2011

continuamente vemos novidades

Já disse hoje que gosto muito de viver em Berlim?
Por muitos motivos e mais este: na aula de hidroginástica, estávamos nós a dar o litro ao som de "hands up", quando entrou um operário na piscina. Levantou as mãos e começou a dançar na direcção da professora, que fez com ele um pequeno pas de deux até o ter a jeito para o atirar à piscina. Mas não atirou: deixou-o seguir enquanto nós continuávamos a saltar cheios de riso.
Um dia que precisem de um filme publicitário para uma sociedade sem castas, podiam pegar nisto.

A seguir, no balneário, tive uma surpresa: uma mulher com idade para ser minha mãe estava com umas cuecas não vos digo nada, meias de ligas e assim. Nunca mais posso usar a expressão "cuecas de avó".
Quem diria que a própria língua dá saltos significativos no balneário do meu fitness club?

2 comentários:

rosário albuquerque disse...

Sociedade sem castas?
E é Berlim aqui tão perto...

Interessada disse...

ah, não se tinha apercebido de que a dita expressão revela preconceito ?
Tenho 59 anos e, por vezes,apetece-me fazer "topless" na praia. É vulgar acontecer que, passados alguns instantes, tenha a minha volta raparigas novas que me imitam, embora não tenham tido coragem para se descobrirem, antes de me verem.