27 maio 2017

hehehe, desta é que o Monet não se lembrou...

 




Esta manhã senti inveja do Monet. Sim: senti inveja - não nego.
Estava a tentar fotografar nenúfares, e pensei no Monet que tinha criados para lhe irem arrumar os nenúfares lá no seu charquinho todas as manhãs, antes de começar a pintar. E eu ali sem ter quem me arrumasse os nenúfares, a fazer malabarismos com a máquina para tentar tirar o melhor partido daquele caos.

(Não sei se repararam: "charquinho". Garanto que até nem sou assim, isto é só porque estou a precisar urgentemente de uma consulta de ortopedia para resolver aquele tal problema no cotovelo.)

Mas depois passou um cisne. Hehehehe, um cisne entre dois grupos de nenúfares desarrumados, a compor a cena toda. Hehehehe, o Monet tinha criados, mas não tinha um cisne a trabalhar para ele.

Nem cisnes, nem um pato: imóvel durante fotografias e fotografias. Nem um galeirão: calmíssimo a dois metros da margem. E trabalham para mim de graça, hehehehe, que nem pão duro lhes dou.


    
  
 





Coitadinho do Monet, se fosse para ele pediam logo uma comissão. A exemplo dos donos dos montes de feno que ele retratava uma e outra e outra vez, para captar as diferença da luz conforme a hora do dia e o tempo. Os malandros dos lavradores viam-no de volta do monte de feno, com uma dúzia de rapazinhos a carregar as telas que ele ia pintando conforme as cores do momento, e de repente ficavam cheios de urgências de dar a palha às vacas. "Ai, coitadinha da minha vaquinha, deixou de comer erva fresca e só está bem com o feno deste monte aqui, isto vacas prenhes é um sarilho, enchem-se de desejos e nós temos de as satisfazer, e tal", e o pobre do Monet lá tinha de pagar para a vaca não lhe comer a paisagem antes de ele terminar a série.

Também lhe fizeram o mesmo com uns salgueiros. "Ai que não sei quê, temos de os cortar imediatamente". E toca o Monet de pedir o enorme favor de o deixarem alugar a paisagem por mais uns dias.

Mais esperto foi o Mahler, que tratou de compor uma paisagem alpina inteira, e não teve de pagar por isso, porque ninguém se lembraria de ameaçar que tinha de levar aqueles montes, aqueles pássaros e aquelas flores para outro lado. Foi a terceira sinfonia - um colega que o visitou quando a estava a compor parou a olhar demoradamente para a paisagem, e Mahler avisou: "escusa de olhar mais, essa já a gastei toda na minha composição".

A arte do Monet era mais sustentável. Um monte de feno dava para dezenas de quadros, e no fim ainda servia para a vaquinha. Além de dar de comer ao lavrador, por causa das coisas.


1 comentário:

jj.amarante disse...

Muito bonitas!