01 fevereiro 2016

a grandeza de um país

(foto)

O texto que escrevi, traçando um retrato da situação com os refugiados na Alemanha, e que foi ontem publicado no Observador, está a tornar-se um caso curioso de agradar a gregos e troianos. Escrevi-o como reacção a quem acusava certos países de estarem em "deriva nazi", porque me pareceu que não estavam na posse de todas as informações. Dou-me agora conta de que muitas pessoas treslêem o que relatei, para poderem confirmar aquilo que já defendiam antes: que a Europa tem de se proteger desta invasão que só traz problemas - ou, como alguém comentava no Observador: da "praga islâmica".

Recapitulando o que se está a passar na Alemanha: acolher um milhão de pessoas num só ano não está a ser fácil. O aparelho de Estado não estava preparado, e não se pôde reajustar ao ritmo exigido pelos acontecimentos. Cada uma destas pessoas que chegam à Alemanha precisa, para além da satisfação urgente das necessidades básicas, de quem as acompanhe, as ouça, lhes explique com paciência e empatia a diferença entre a sua cultura e a cultura alemã, e precisa também de ocupação e perspectivas de futuro. Há movimentos de extrema-direita que se manifestam, por palavras e por actos violentos, contra a vinda dos refugiados. O discurso no espaço público está a degradar-se: num país que se orgulhava da sua cultura de debate, multiplicam-se opiniões emitidas não a partir do cérebro, mas das tripas. Para evitar a propagação de lixo no espaço público, alguns media online fecham as caixas de comentários nas notícias relativas aos refugiados, e o governo alemão fez diligências junto do facebook para que persiga o discurso de ódio com o mesmo empenho com que persegue a nudez feminina.

Para os preocupados com "a praga islâmica": sim, os ataques de Colónia aconteceram mesmo (embora os números tenham sido empolados, segundo revela agora a polícia). Sim, há alguns delinquentes entre esta imensa massa de refugiados. Sim, muitos deles vêm de um contexto cultural muito diferente do nosso. Sim, a maior parte deles são muçulmanos. Sim, dois terços deste milhão são homens.

Para os preocupados com a "deriva nazi" e a "sombra do Holocausto": sim, há refugiados identificados com pulseira, para se ter a certeza de que é esse recém-chegado, e não outra pessoa qualquer, que recebe o auxílio humanitário mais básico enquanto espera para ser convenientemente registado. Sim, houve piscinas que vedaram temporariamente o acesso a todos os refugiados de sexo masculino. Sim, houve uma discoteca que aventou impedir a entrada a pessoas de certos grupos. Sim, há dois Estados a pensar em obrigar os refugiados a participar no pagamento das suas próprias despesas, tal como já se exige a cada alemão. Sim, houve uma responsável do partido "Alternativa para a Alemanha" que disse que a polícia devia atirar sobre os refugiados que tentam entrar no país, e que a seguir corrigiu "não se pode atirar sobre as crianças, mas pode-se atirar sobre as mulheres".

Perante estes problemas tão variados e complexos, o que faz a Alemanha? Acolhe, e corrige os erros. Não se deixa confundir pelo acessório, e continua focada no essencial - que é ajudar quem chega, debater abertamente as questões, procurar um rumo que seja fiel aos seus princípios fundamentais, sempre consciente da responsabilidade que advém da memória histórica.

A crise dos refugiados está a revelar a maturidade e a grandeza deste país. Apesar das lutas dentro da coligação governamental, que enfraquecem a posição da chanceler, e dos movimentos de extrema-direita que aproveitam a crise dos refugiados para conquistar mais espaço, a Alemanha não vacila nas questões fundamentais. Os refugiados continuam a chegar, e a ser ajudados. Na sequência dos ataques de Colónia, o Governo não deixou margem para dúvidas de que esses delinquentes só serão repatriados se houver a certeza de que no país deles não os espera a morte ou a tortura, e uma parte importante da sociedade alemã deu sinais claros de saber distinguir muito bem entre refugiados e actos de violência sexual. Multiplicam-se os debates na televisão e nos jornais. Ainda ontem, na Anne Will, que é o talkshow mais importante do país, se falou do medo e da desconfiança provocados por incidentes como os que aconteceram em algumas discotecas e piscinas. Alertou-se para a tentação de generalizar, e para o erro inadmissível dos castigos colectivos. Foram sessenta minutos de bálsamo para os espíritos atormentados, no qual se deu visibilidade aos refugiados que procuram a Alemanha porque querem ter o orgulho de fazer parte de uma sociedade que admiram, se falou do combate impreterível a comportamentos abusivos e à criminalidade. Houve palavras de compreensão para erros cometidos pela parte alemã, sinal de um certo atarantamento devido ao ritmo e à dimensão dos problemas, e palavras de compreensão para a situação difícil de alguns homens jovens, que passam meses à espera, sem família e sem qualquer perspectiva ou ocupação. Foi referido o generoso contributo da população, sem o qual o país não conseguiria fazer tanto, e concluiu-se que a integração é possível, desde que haja vontade e as regras sejam claras para todos.

Não está a ser fácil. Nunca ninguém disse que seria fácil. Quando abriu as fronteiras para acolher essa multidão que atravessava a Europa em condições catastróficas, lembrando o êxodo que aqui teve lugar no fim da segunda guerra mundial, Angela Merkel avisou que o esforço de acolher e integrar estas pessoas seria um desígnio nacional para as próximas décadas. As suas palavras encontraram terreno fértil no coração e no sentido de decência de um grande número de alemães. Apesar das dificuldades, apesar dos erros e dos mal-entendidos de parte a parte, apesar do cansaço, há muitos alemães que não desistem de ajudar o mais que podem, e mais alemães ainda que, em vez de se entrincheirarem por medo do desconhecido e repudiarem liminarmente essas pessoas, estão abertos para as ir conhecer, para falar e aprender com elas, para criar laços de amizade e solidariedade.

O nosso maior inimigo não é a "invasão muçulmana" - é o medo. É impossível parar este fluxo de seres humanos que fogem à guerra, à insegurança e à fome. Não tenhamos dúvidas: não há fronteiras estanques - e o muro de Berlim foi disso prova. Não vale a pena gastar energias a tentar parar o imparável. Mais vale olhar para o problema de frente, tendo consciência das nossas forças e responsabilidades.

O que vejo na Alemanha é a consciência de se estar a viver um momento histórico, e a vontade de, desta vez, estar do lado certo da História. O trabalho de décadas de consciencialização da responsabilidade herdada do passado está a dar frutos, que se revelam nesta atitude de não ceder ao medo do desconhecido e de outras culturas. O cristianismo e o humanismo secular que inspiram esta sociedade aparecem a trabalhar de mãos dadas para construir um quotidiano e um futuro baseados nos valores que lhes são comuns. Há muitos milhões de alemães - os que se preocupam com os refugiados e se aproximam deles, os que arregaçam as mangas e trabalham - que têm uma enorme confiança na capacidade da Alemanha para acolher e integrar estas pessoas, que acreditam que a integração vai resultar e que os valores de que se orgulham sairão reforçados. E sabem que, se optarem por jogar à defesa e fugir às dificuldades, o primeiro perdedor vai ser a Alemanha.

Este é um daqueles momentos difíceis e raros em que está na mão de cada um de nós contribuir para que se caminhe numa direcção de que os nossos netos se possam orgulhar. É também um momento revelador do muito que está a mudar para melhor na nossa sociedade. Tempos novos, estes, que se mostram das formas mais inesperadas. Como aconteceu há algumas semanas no Parlamento, quando um deputado do partido Die Linke defendeu a chanceler, que estava a ser muito pressionada pela sua coligação para pôr fim à vinda de refugiados, e o fez com estas palavras:

"Pois tive fome, e me destes de comer, tive sede, e me destes de beber; fui estrangeiro, e vós me acolhestes."


10 comentários:

R disse...

Eu acho que a grande questão que paira sobre as nossas cabeças e ninguém quer responder é: porquê a Alemanha?

Porquê fazer tantos milhares de quilómetros para chegar à Alemanha? Os refugiados estavam a ser perseguidos na Áustria, na Itália ou na Eslovénia e só a Alemanha lhes oferece cuidados e salvação?

O que é que a Helena acha? De onde vem a obsessão com a Alemanha?

Eu deixo aqui uma resposta que não é definitiva e é arriscada: os árabes-muçulmanos admiram a Alemanha porque sempre admiraram - e continuam a admirar - Hitler e os nazis.

Espero que não seja esta a razão. Espero mesmo. Mas para isso é preciso que alguém faça a pergunta e avalie as hipóteses de resposta.

Helena disse...

Porquê a Alemanha?
- Porque a Angela Merkel viu a situação de desespero das pessoas, e lhes abriu as fronteiras, à revelia de Dublin. Os outros países não concordaram com isso, e tornaram-se meros corredores de passagem para a Alemanha.
- Porque a Alemanha é um dos países que mais garantias dá de satisfação das necessidades básicas.
- Porque na Alemanha já vivem muitas pessoas dos países de origem desta grande vaga de refugiados, e as pessoas preferem ir para onde já têm compatriotas que as ajudem (os portugueses na emigração dos anos 60 faziam o mesmo).
Nem me passou pela cabeça que a Alemanha nazi fosse um motivo para escolherem este país que já encerrou há muito esse capítulo e que é agora o aliado mais indefectível de Israel.

Além disso, note que muitas dessas pessoas atravessam a Alemanha e seguem para a Dinamarca, a Suécia ou a Grã-Bretanha. Penso que a Dinamarca dá 800 euros mensais a cada refugiado, que é bastante mais que a Alemanha dá. Aliás, da última vez que me informei, já há alguns anos, a Alemanha nem dava dinheiro, dava vales-compra - medida que era muito criticada pelas organizações de apoio aos refugiados.

Paulo Topa disse...

Não faço a mínima ideia do que se passa concretamente na Alemanha e nos outros países. O que a comunicação social transmite é muito pouco e vai-me parecendo muito enviesado. Fico contente por perceber, por alguém que me merece confiança, que a humanidade existe e por caminhos nem sempre fáceis vai atuando.
Obrigado pelos textos.

João Miguel Correia Gonçalves Vaz disse...

Parabéns pelo texto. Subscrevo a sua coragem e objetividade

Manuel Pintor disse...

Résteas de humanismo na humanidade!

Filipa disse...

Helena, hesito um pouco em chamar grande à Alemanha. É que me lembro sempre das medidas que a Merkel considerou adequadas para Portugal e da bonita sugestão que os nossos ordenados podem ser ainda mais reduzidos.

Talvez a solução passe por encenarmos um conflito. Tornamo-nos refugiados e pode ser que a Merkel já nos considere pessoas. Há muita culpa por detrás da atitude da Alemanha.

Sinceramente, não sei quem está certo ou errado. Eu própria tanto acordo a apoiar o acolhimento de todos os refugiados, como acho que a Le Pen está certa em relação aos muçulmanos.

Também não concordo que se fale sempre medo. Temos o direito de recusar os princípios islâmicos da mesma forma que consideramos ignóbil o nazismo. Não é por medo que acho o Mein Kampf repugnante.

Posto isto, há que impedir situações como o desaparecimento de mulheres e crianças para o tráfico sexual, por exemplo.

O que eu queria ver era união na união europeia, isso sim, mas, agora, vem aí a Brexit.

Helena disse...

Paulo, João, Manuel: obrigada! :)

Helena disse...

Filipa, eu diria assim: onde há grandeza, há grandeza. Onde há pequenez, há pequenez. Podemos louvar uma, e criticar a outra.

Se tivéssemos cuidado com as palavras que usamos, provavelmente não havia tantos mal-entendidos. Imagino que o seu problema não seja com os muçulmanos, mas com o terrorismo e o fundamentalismo islâmico. Ou pensa que todos os 1.570.000.000 muçulmanos são perigosos ou potencialmente perigosos?

De que está a falar quando diz "princípios islâmicos"?
É que eu até sobre os "princípios cristãos" tenho dúvidas - e não estou sozinha. Há muitos cristãos que acham que o Papa Francisco não entendeu os verdadeiros "princípios cristãos". O que ouço do mundo islâmico é que também não se entendem sobre o que são os verdadeiros "princípios islâmicos".

Penso que temos o direito de recusar o fundamentalismo islâmico da mesma forma que consideramos ignóbil o nazismo. Não é por medo que achamos o Mein Kampf repugnante, é porque é mesmo repugnante.
Mas não podemos confundir o Mein Kampf com todos os alemães, e não podemos confundir o fundamentalismo islâmico com todos os muçulmanos.

Se não é o medo, o que é, então, que leva as pessoas a rejeitar liminarmente a entrada de muçulmanos na Europa?
Só me ocorre o medo, que resulta de confundir uma religião com os seus tumores malignos. Se não houvesse essa confusão, quer dizer, se as pessoas soubessem distinguir entre crentes e fanáticos de uma religião, não rejeitariam os crentes por verem neles fanáticos.

ematejoca disse...

Ach Helena, laß... das ist ein zu weites Feld.

nat. disse...

Olá Helena!
Gosto da forma como mostra o que por aí se passa...
Gosto de ver que, afinal, a Alemanha não é só o "lobo mau"...

Obrigada pela partilha!