08 janeiro 2015

crise de identidade

Crise de identidade: estou indecisa entre estas duas imagens para o perfil do facebook.



Ahmed Merabet

Escolhendo ser Charlie, junto-me à onda global de repúdio pelo ataque ao Charlie Hebdo. 
Escolhendo ser Ahmed, dou mais visibilidade ao grupo imenso de muçulmanos que partilham os meus valores. A carga simbólica deste "je suis Ahmed" é extraordinária: um muçulmano que era cidadão francês, que escolheu como profissão tornar o meu mundo mais seguro, e que perdeu a vida nessa missão. Se é para falar em mártires, este é um deles - e espero que no céu haja recompensa para ele.

(Não sei porque é que insistem na história das cem virgens - estava capaz de apostar que uma não-virgem, de bem com o seu corpo e a sua sexualidade, seria uma recompensa muito melhor.) (Quer dizer, pensando melhor, é óbvio que para um terrorista que morre num acto de brutalidade, a melhor recompensa são cem actos de brutalidade: aviar virgens...)


Pode ser que as manifs do Pegida na próxima segunda-feira, na Alemanha, tenham uma nível de participação assustador. É fundamental que as manifestações por uma Alemanha aberta, sem xenofobia e sem islamofobia sejam muito maiores. Na próxima segunda-feira vou estar na rua, e levo um cartaz onde está escrito "Je suis Ahmed Merabet". Ahmed é nosso melhor argumento para responder a quem está a criar e a alimentar o medo da "invasão dos muçulmanos".    


2 comentários:

Domadora de Camaleões disse...

Comento-te citando-te:
"Ahmed é nosso melhor argumento para responder a quem está a criar e a alimentar o medo da "invasão dos muçulmanos".

É isso mesmo.Respeito pelo outro e pela diferença.

Maria do Ceu disse...

Je suis

Charlie Ahmed
Ahmed Charlie

O meu cartaz vai ter duas faces e voltear no ar acima das cabeças dos manifestantes de modo visível.

e/ou

O meu cartaz vai ter duas faces com os 2 nomes escritos em sequência de maneira a sugerir que o que importa são as pessoas, a vida, a liberdade, o respeito...

Já foram criados os dois cartazes numa turma de miúdos com vidas difíceis...

Alguns deles levam um cartaz outros levam outro, alguns levam só uma opção, outros não levam nada e querem ir em silêncio e há até quem não queira ir à manifestação.

Liberdade!