09 dezembro 2013

tão diferentes, tão iguais

O Nelson Mandela morreu. O Arrumadinho aproveitou para mostrar fotos suas na África do Sul e uma certa esquerda portuguesa aproveitou para dizer mal do Cavaco. Tão diferentes, tão iguais.

Se houver vida depois da morte, e se os que estão do lado de lá puderem espreitar o que se passa no nosso mundinho, espero que o Mandela tenha imenso sentido de humor.

Ao Arrumadinho agradeço as horas extra que vou passar no purgatório, só por causa da caridade cristã que me falhou enquanto lia o seu post. E às pessoas que distorceram vergonhosamente os factos, para tirarem partido da comoção associada à morte do Mandela, usando-a em favor das suas guerrilhas e politiquices manhosas, pergunto se aprenderam alguma coisa do exemplo que esse homem nos deixou.

"It is time for new hands to lift the burdens, it is in your hands now."

(E eu, que nem percebo nada de futebol, vejo agora como é que os adeptos se sentem quando um jogador do seu clube marca um golo na própria baliza) (e não me estou a referir ao Arrumadinho)



27 comentários:

Helena disse...

Texto da resolução na qual Portugal votou a favor:

G
Concerted international action for the elimination of apartheid
The General Assembly,

Alarmed by the aggravation of the situation in South Africa caused by the
policy of apartheid, and in particular by the continuation of the nation-wide
state of emergency,

Convinced that the root-cause of the crisis in southern Africa is the
policy of apartheid,

Noting with grave concern that in order to perpetuate apartheid in South
Africa the authorities there have increasingly committed acts of aggression
and breaches of the peace,

Convinced that only the total eradication of apartheid and the
establishment of majority rule on the basis of the free and fair exercise of
universal adult suffrage can lead to a peaceful and lasting solution in South
Africa,

Noting that the so-called reforms in South Africa have the effect of
further entrenching the apartheid system and further dividing the people of
South Africa,

Recognizing that the policy of bantustanization deprives the majority of
the people of their citizenship and makes them foreigners in their own
country,

Recognizing the responsibility of the United Nations and the
international community to take all necessary action for the eradication of
apartheid, and, in particular, the need for increased and effective pressure
on the South African authorities as a peaceful means of achieving the
abolition of apartheid,

Helena disse...

(cont.)

Encouraged, in this context, by the growing international consensus, as
demonstrated by the adoption of Security Council resolution 569 (1985) of
26 July 1985, and the increase in and expansion of national, regional and
intergovernmental measures to this end,

Taking note of the Declaration adopted by the World Conference on
Sanctions against Racist South Africa,

Convinced of the vital importance of the strict observance of Security
Council resolution 418 (1977) of 4 November 1977, by which the Council
instituted a mandatory arms embargo against South Africa, and Council
resolution 558 (1984) of 13 December 1984 concerning the import of arms,
ammunition and military vehicles produced in South Africa, and of the need to
make these embargoes fully effective in conformity with Council resolution
591 (1986) of 28 November 1986,

Commending the national policies not to sell and export oil to South
Africa,

Considering that measures to ensure effective and scrupulous
implementation of such embargoes through international co-operation are
essential and urgent,

Taking note, in this respect, of the efforts undertaken by the
Intergovernmental Group to Monitor the Supply and Shipping of Oil and
Petroleum Products to South Africa,

Noting with deep concern that, through a combination of military and
economic pressures, in violation of international law, the authorities of
South Africa have increasingly resorted to economic reprisals and aggression
against, and destabilization of, the neighbouring States,

Considering that contacts between apartheid South Africa and the
front-line and other neighbouring States, necessitated by geography, colonial
legacy and other reasons, should not be used by other States as a pretext for
legitimizing the apartheid system or justifying attempts to break the
international isolation of that system,

Convinced that the existence of apartheid will continue to lead to
ever-increasing resistance by the oppressed people, by all possible means, and
increased tension and conflict that will have far-reaching consequences for
southern Africa and the world,

Convinced that policies of collaboration with the apartheid regime,
instead of respect for the legitimate aspirations of the genuine
representatives of the great majority of the people, will encourage its
repression and aggression against neighbouring States and its defiance of the
United Nations,

Expressing its full support for the legitimate aspiration of African
States and peoples, and of the Organization of African Unity, for the total
liberation of the continent of Africa from colonialism and racism,

Helena disse...

(cont.)

1. Strongly condemns the policy of apartheid which deprives the
majority of the South African population of their citizenship, fundamental
freedoms and human rights;

2. Strongly condemns the South African authorities for the killings,
arbitrary mass arrests and detention of members of mass organizations as well
as of individuals, the overwhelming majority of whom belong to the majority
population, who oppose the apartheid system and the state of emergency, and
for the detention of and use of violence against children;

3. Further condemns the overt and the covert aggressive actions, which
South Africa has increasingly carried out for the destabilization of
neighbouring States, as well as those aimed against refugees from South Africa
and Namibia;

4. Demands that the authorities of South Africa:

(a) Release immediately and unconditionally Nelson Mandela and all other
political prisoners, detainees and restrictees;

(b) Immediately lift the state of emergency;

(c) Abrogate discriminatory laws and lift bans on all organizations and
individuals, as well as end restrictions on and censorship of news media;

(d) Grant freedom of association and full trade union rights to all
workers of South Africa;

(e) Initiate without pre-conditions a political dialogue with genuine
leaders of the majority population with a view to eradicating apartheid
without delay and establishing a representative government;

(f) Eradicate the bantustan structures;

(g) Immediately withdraw all their troops from southern Angola and end
the destabilization of front-line and other States;

5. Urges the Security Council to consider without delay the adoption of
effective mandatory sanctions against South Africa;

6. Further urges the Security Council to take steps for the strict
implementation of the mandatory arms embargo instituted by it in resolution
418 (1977) and of the arms embargo requested in its resolution 558 (1984) and,
within the context of the relevant resolutions, to secure an end to military
and nuclear co-operation with South Africa and the import of military
equipment or supplies from South Africa;

Helena disse...

(cont.)

7. Appeals to all States that have not yet done so, pending mandatory
sanctions by the Security Council, to consider national legislative or other
appropriate measures to increase the pressure on the apartheid regime of South
Africa, such as:

(a) Cessation of further investment in, and financial loans to, South
Africa;

(b) An end to all promotion of and support for trade with South Africa;

(c) Prohibition of the sale of krugerrand and all other coins minted in
South Africa;

(d) Cessation of all forms of military, police or intelligence
co-operation with the authorities of South Africa, in particular the sale of
computer equipment;

(e) An end to nuclear collaboration with South Africa;

(f) Cessation of export and sale of oil to South Africa;

8. Appeals to all States, organizations and institutions recognizing
the pressing need, existing and potential, of South Africa's neighbouring
States for economic assistance:

(a) To increase assistance to the front-line States and the Southern
African Development Co-ordination Conference in order to increase their
economic strength and independence from South Africa;

(b) To increase humanitarian, legal, educational and other such
assistance and support to the victims of apartheid, to the liberation
movements recognized by the Organization of African Unity and to all those
struggling against apartheid and for a non-racial, democratic society in South
Africa;

9. Appeals to all Governments and organizations to take appropriate
action for the cessation of all academic, cultural, scientific and sports
relations that would support the apartheid regime of South Africa, as well as
relations with individuals, institutions and other bodies endorsing or based
on apartheid;

10. Commends the States that have already adopted voluntary measures
against the apartheid regime of South Africa in accordance with General
Assembly resolution 40/64 I of 10 December 1985 and invites those which have
not yet done so to follow their example;

11. Reaffirms the legitimacy of the struggle of the oppressed people of
South Africa for the total eradication of apartheid and for the establishment
of a non-racial, democratic society in which all the people, irrespective of
race, colour or creed, enjoy fundamental freedoms and human rights;

12. Pays tribute to and expresses solidarity with organizations and
individuals struggling against apartheid and for a non-racial, democratic
society in accordance with the principles of the Universal Declaration of
Human Rights;

13. Requests the Secretary-General to report to the General Assembly at
its forty-third session on the implementation of the present resolution.

Baltazar Garção disse...



Helena,

agora podes dizer-nos que factos é que foram distorcidos?

Portugal votou mesmo contra a moção A. Desrespeitando a sua própria Constituição!

Quando me esclareceres que factos é que foram "distorcidos", eu digo-te qual é o Artigo que foi desrespeitado.

O "respeito" de Cavaco Silva pela CRP já vem de longe...

Baltazar Garção disse...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA

(...)

Artigo 7.º
Relações internacionais

1. Portugal rege-se nas relações internacionais pelos princípios da independência nacional, do respeito dos direitos do homem, dos direitos dos povos, da igualdade entre os Estados, da solução pacífica dos conflitos internacionais, da não ingerência nos assuntos internos dos outros Estados e da cooperação com todos os outros povos para a emancipação e o progresso da humanidade.

2. Portugal preconiza a abolição do imperialismo, do colonialismo e de quaisquer outras formas de agressão, domínio e exploração nas relações entre os povos, bem como o desarmamento geral, simultâneo e controlado, a dissolução dos blocos político-militares e o estabelecimento de um sistema de segurança colectiva, com vista à criação de uma ordem internacional capaz de assegurar a paz e a justiça nas relações entre os povos.

3. Portugal reconhece o direito dos povos à autodeterminação e independência e ao desenvolvimento, bem como o direito à insurreição contra todas as formas de opressão.

(...)




E bem podem agora os assessores do Cavaco preparar-lhe respostas assépticas...

Helena disse...

As afirmações no Parlamento foram:

(cito do Público)
"Em 1987 quando a Assembleia-geral das Nações Unidas aprovou uma resolução exigindo a libertação incondicional de Nelson Mandela, essa resolução teve 3 votos contra, apenas três votos contra, esses votos contra foram dos Estados Unidos, de Ronald Reagan, do Reino Unido, de Margaret Thatcher, e de Portugal, de Cavaco Silva", afirmou [António Filipe].

No mesmo sentido, a deputada do BE Helena Pinto afirmou que "em 1987 Portugal esteve do lado errado, votou contra a libertação incondicional de Nelson Mandela".


Os factos foram:
Nesse dia Portugal votou a favor da resolução G, que exigia a libertação de Nelson Mandela (entre outros, vale muito a pena ler toda a resolução) e votou contra a resolução que exigia a libertação de Nelson Mandela e o apoio da resistência por todos os meios, inclusivamente armada (" 2. Reaffirms further the legitimacy of the struggle of the people of
South Africa and their right to choose the necessary means, including armed
resistance, to attain the eradication of apartheid;").

A partir daqui, não se pode afirmar que Cavaco votou contra a libertação de Nelson Mandela.

Se no Parlamento tivessem acusado Cavaco de ter votado em sentido contrário à Constituição Portuguesa, eu ficava calada. Mas não foi disso que o acusaram.

(E tenho andado a pensar bastante nisso: se na ONU se votasse o apoio à resistência palestiniana and their right to choose the necessary means, including armed
resistance, Portugal devia votar contra ou a favor?) (só para dizer que as coisas da vida real não são nada simples - mas o que se passou no Parlamento foi, segundo me parece, um muito simplório reflexo de Pavlov)

Helena disse...

Só agora vi a passagem da Constituição. Portanto: entendes que as acções violentas da OLP e do Hamas são legítimas, porque inscritas no "direito à insurreição contra todas as formas de opressão", e que Portugal devia dar-lhes apoio?

Baltazar Garção disse...

OLP?! Hamas?! Discussão deveras interessante, mas parece-me que isso aqui e agora é mudar de assunto.

E que interessa o que eu entendo? Nada.

Eu não jurei solenemente cumprir e fazer cumprir a Constituição! Tenho apenas que cumpri-la, como qualquer Cidadão, concorde ou não com ela.

E penso que na generalidade dos Países democráticos, como a Alemanha, também será assim. Ai, pois é, a Alemanha, como a generalidade dos Países democráticos, votou a favor da moção A, não conta...

Baltazar Garção disse...



Já agora, claro que Portugal deveria votar a favor dessa resolução. Aliás, a generalidade das Resoluções das Nações Unidas sempre foi nesse sentido, inclusivé a famosa declaração de ilegalidade do chamado "Estado de Israel", logo em 1947, que os Estados Unidos vetaram, com os brilhantes resultaods que se conhecem...

Mas isto, como digo, é outra discussão. A verdade é que Portugal, em 1987, votou contra uma resolução que apelava à libertação de Mandela. Se não concordava só com uma parte dela, podia ter-se abstido. Mas votou mesmo CONTRA. Não houve qualquer distorção deste facto. Houve apenas o desmascarar de uma hipocrisia de Estado repugnante.

Helena disse...

Então se eu te perguntar se te sentes sexualmente atraído por mulheres e tu disseres que sim, e se depois te perguntar se te sentes sexualmente atraído tanto por mulheres como por homens e disseres que não, eu posso afirmar que a verdade é que tu disseste que não te sentes atraído por mulheres?

mar disse...

Não sei se vale a pena estar a discutir se votar contra anula o votar a favor (ou vice-versa). Apesar do representante português na ONU ter condenado veemente o regime do apartheid durante a sessão da assembleia em que as resoluções foram votadas e ter explicado porque é que Portugal não podia aprovar ambas, na prática, as acções do governo português fora da ONU não foram de condenação do regime e apoio à democratização na África do Sul em 1987. Agarrar-se ao facto de se ter votado a favor da libertação de Mandela na resolução que não aceitava a luta armada é também uma visão parcelar da história.

Se os comentários de António Filipe e Helena Pinto se deveram a falta de informação, como quero acreditar, e não a uma tentativa de contrainformação, surpreende-me o amadorismo no modo de fazer política. Não é preciso ir remexer papéis velhos nos arquivos da ONU ou do MNE para saber a que é que Portugal votou contra ou a favor em 1987: os textos das resoluções e a transcrição da votação estão disponíveis no site da ONU e bastaria consultar a documentação antes de abrir a boca (como aliás deveria ser feito sobre todos os assuntos abordados no parlamento). De qualquer forma, estar a fazer politiquice a propósito da morte de alguém – e nem precisaria de ser uma figura como Nelson Mandela – revela uma enorme falta de decoro.

(Não estou certa de ter percebido o que leva alguém a achar conveniente e/ou interessante mostrar fotografias de uma viagem turística à África do Sul a propósito da morte de Mandela para me pronunciar se, no outro caso, será falta de decoro ou só inconsciência.)

Baltazar Garção disse...


Helena,

não fujamos ao assunto: "em Política, o que parece, é".


Ponho-te então a questão ao contrário: tu sentes bem vivendo num País que votou a favor da Moção A, ou seja, da resistência armada à opressão racista?


A mim não me interessa se é condenável ou não lembrar este facto a propósito da morte de Nelson Mandela, isso é secundário, não aquece nem arrefece. Importa-me sim ajuizar sobre a moralidade daquela pessoa concreta que representa Portugal ao mais alto nível e que, queiramos ou não, serve de exemplo à Nação!


É a Moral, acima da Política e da Ideologia, aquilo que mais me importa.


A (des)propósito, experimenta um dia, com TEMPO, ir espreitar esta maravilha:


www.questoes-de-moral.blogspot.pt


Imperdível, a todos os títulos...

Helena disse...

Quem fugiu ao assunto foste tu. Eu escrevi este post para criticar dois deputados que cometeram um erro grave numa sessão parlamentar ao fazer uma afirmação errada (e podem agora tentar os malabarismos de lógica que quiserem - o Daniel Oliveira foi mais espertalhão: assumiu o erro, para a seguir desvalorizar o mais que pôde a resolução G).
Como dizia a Mar, ali em cima, é um amadorismo surpreendente. Bem, eu digo mais: é inadmissível.

Quanto a ajuizar sobre a moralidade do Cavaco Silva: sim senhor, estamos na mesma luta. E nem precisamos de fabricar escândalos, já os há em quantidade suficiente.

Hei-de ir ver esse blogue, obrigada!

Helena disse...

Mar,
esta conversa sobre o que se faz na ONU e fora dela até me lembra a Mafaldinha a falar dos "simpáticos inoperantes".

Sobre o Arrumadinho: parece-me que não vale a pena gastar neurónios a tentar perceber.

Baltazar Garção disse...



Não fugi a coisa nenhuma. Tu é que ainda não esclareceste a tua afirmação que dá origem a toda esta discussão: que factos foram distorcidos "por uma certa Esquerda" (sic)?


Portugal votou mesmo CONTRA a Moção A, que defendia a libertação de Nelson Mandela!


E nesta sua posição, independentemente até de ela contrariar frontalmente o disposto no n.º 3 do Art.º 7º da C. R. P., não foi acompanhado por nenhum dos Países da então União Europeia, de que já fazia parte, excepto a excepção, sempre excepcional, do... Reino Unido.


Onde está a distorção?

Helena disse...

No mesmo dia, Portugal votou mesmo A FAVOR da Moção G, que defendia a libertação do Nelson Mandela!

Como se pode então afirmar liminarmente que Portugal era contra a libertação de Nelson Mandela?

(tanto mais que fez uma declaração de voto a explicar que votava contra a Moção A porque não concordava com o apoio à luta armada - ou seja, deu-se ao trabalho de explicar que o seu problema era a luta armada e não a libertação do Nelson Mandela)

E se insistes na Constituição, volto a perguntar: então a nossa Constituição aprova que os palestinianos ponham bombas em edifícios israelitas?

Helena disse...

Ainda estás aí, Baltazar Garção?
A ver se nos entendemos:
Há muitos motivos para criticar o Cavaco - tanto na sua acção passada como na sua inacção presente. Se fosse um presidente alemão (e só falo da Alemanha porque é o que acompanho melhor), já não era - o mais tardar desde que se descobriu que comprou acções do BPN a preço de amigo. Ou desde que disse "dia da raça" (ui, se um presidente alemão tivesse dito "dia da raça"!...), ou desde que surgiram dúvidas sobre o processo das trocas e baldrocas nas suas casas de férias. E estou a falar apenas de pistas para o seu perfil moral e cultural, nem sequer me refiro à acção política.

Mas o ataque que lhe foi feito no Parlamento, a propósito da morte do Mandela, foi de um grande diletantismo. Estas coisas não podem acontecer. A nossa direcção é no sentido de uma Democracia melhor, e não no de usar o Parlamento como uma mesa de café depois do segundo bagaço.

E a Constituição às vezes dá com os burros na real politik e nas possibilidades de um país - como o exemplo dos palestinianos tão bem mostra. Apesar dos paralelismos, e independentemente do que tenham escrito nas suas constituições, os países ocidentais dificilmente se lembrarão de pressionar Israel como pressionaram o regime da África do Sul. Não vou discutir se acho bem ou mal, só queria sublinhar as palavras "independentemente do que tenham escrito nas suas constituições".

Baltazar Garção disse...



Sim, estou sempre aqui, mas é só de tempos a tempos...

Podemos deixar neste caso Israel de lado? Parece-me de todo despropositado comparar a violência palestiniana à violência do ANC. E podemos deixar também a nossa Constituição em paz? Se vamos discutir tudo em todo o momento, o mais certo é acabarmos por discutir coisa nenhuma, como nos programas de televisão de grande audiência.

Vamos ao essencial: Portugal votou contra a libertação de Mandela (ao contrário de práticamente TODOS os Países seus parceiros e aliados). Nesse dia votou a favor da sua libertação em várias outras Moções irrelevantes.


Isto são os factos.


Estes factos foram apontados no Parlamento. Ainda bem, pois já ninguém se lembrava deles.


O Cavaco tem outros pecadilhos às costas? Sim. Tendo já esses, não adianta apontar outros? Não.


Se o maridinho disser à mulherzinha que a ama umas seis vezes no mesmo dia, muitas delas a despropósito, e depois no momento crucial do serão, em frente aos seus amigos, disser a todos que ela é uma chata insuportável, bem pode argumentar que nesse mesmo dia lhe repetiu várias vezes... enfim.


Nunca é demais apontar hipocrisias de Estado, seja a Cavaco, seja ao mais pintado.


E nota que estou a falar de decisões oficiais, históricas não embarco em demagogias canalhas como a que fizeram ao 1º-Ministro checo (não vem a propósito, eu sei...).


Deves ler a Fernanda Câncio. Vou tentar encontrar um artigo muito bom dela sobre este assunto.

Baltazar Garção disse...



PS: A nossa Constituição não aprova que os palestinianos ponham bombas em edifícios israelitas. Defende «o direito à insurreição contra todas as formas de opressão».


Não tens de concordar com este Artigo. Mas se te quiseres candidatar a um cargo oficial em Portugal tens de respeitá-lo e cumpri-lo, enquanto não for alterado.

Baltazar Garção disse...



Aqui está:


http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=3585542&seccao=Fernanda C%E2ncio&tag=Opini%E3o - Em Foco

Helena disse...

Acho muito bem que deixemos a Constituição e Israel de fora desta conversa.

Quanto às resoluções da ONU: porque é que dizes que umas são cruciais, e outras são irrelevantes? Porque é que consideras a G irrelevante?

E sabes onde encontrar os resultados das votações? É que gostava de saber que países votaram a favor, quais votaram, e quais se abstiveram.

Quanto ao mais: continuo sem perceber como é que se conclui que um país votou contra A quando de facto votou a favor de A e contra A+B, explicando que votou contra o pacote A+B por não concordar com B.

Helena disse...

Respondi antes de ler estes dois últimos comentários.
Ora bem: eu respeito a Constituição portuguesa. Mas gostava de a compreender, e vocês estão-me a confundir cada vez mais. Afinal, a nossa Constituição defende o direito à luta armada ou não? E não permite bombas em edifícios israelitas, mas permite bombas em edifícios de brancos em Joanesburgo?
Mais: obriga mesmo os governantes portugueses a apoiar quem recorre à luta armada para se libertar dos opressores?

Quanto ao texto da Fernanda Câncio: é muito divertido, mas não explica aquilo que me está a fazer confusão, e opta pela ridicularização, o que também não me leva muito longe.
Porque é que a resolução G não vale nada? Porque é que as sanções ali impostas não valem o mesmo que as sanções impostas na resolução A?

Baltazar Garção disse...



Pensa antes assim, talvez ajude:

Por que é que a Alemanha votou a favor da Moção A? E por que é o D. Cameron pediu desculpas por o R. Unido ter votado contra ela?

Quanto à Constituição e a Israel, tínhamos combinado na ronda anterior mantê-los de fora nesta discussão, lembras-te?

Helena disse...

Pois tínhamos combinado deixar a Constituição em paz, mas tu escreveste aquele PS e eu respondi.

Não sei porque é que a Alemanha votou (nem sei sequer se votou) a favor da moção A. Nem vou investigar isso.
O que me interessa saber é porque é que há tanta gente a dizer que a moção G, na qual Portugal votou a favor, não vale nada. O que é que vocês sabem que eu não sei, e não consigo descodificar ao ler aquelas frases muito claras de repreensão e pressão do regime do Apartheid?


Baltazar Garção disse...


Helena, como sabes, a ONU não é nenhum jardim infantil. Se Portugal foi o único País do Mundo, naquele momento concreto, ainda incerto (e fazer prognósticos depois do "jogo" até o João Pinto...), a acompanhar os dois interesseiros colossos anglo-saxónicos numa dada votação, não tem de se ir investigar mais nada, tem apenas de se entender o significado diplomático desse gesto.

O que me parece óbvio, se dermos importância a quem agiu de maneira diferente - a Alemanha, sim, mas também a Espanha, a França, a Suíça, a Itália, a Noruega, a Suécia, a Holanda, a Turquia, a Ásia inteira, a África inteirinha, o "nosso" Brasil...

Mas Portugal opôs-se. Orgulhosamente. E ainda não se envergonhou, arranjou justificações esfarrapadas.

O Reino Unido, que é o que é, já pediu desculpas.

E acho que o Mandela também perdoou, aos americanos e a Portugal...

Helena disse...

Isso é especulação.
Não te esqueças qual era o meu ponto de partida: perante os factos, não se pode afirmar liminarmente que nesse dia Portugal votou contra a libertação de Mandela.

Conheces um site com os resultados das votações? Gostava de saber quem votou a favor e quem se absteve. Na moção A, por exemplo, há 22 abstenções. Que países foram esses?
http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:http://seagrass.goatchurch.org.uk/undata/indexstuff/gasummariesdir/gaact42.html


E algum dos países que votou a favor da moção A tinha meio milhão dos seus nacionais (brancos) na África do Sul, nessa altura?
Eu não queria estar no lugar do Cavaco nessa altura - entre os valores mais básicos (e o apartheid era um crime contra a humanidade) e o dever de proteger os cidadãos portugueses residentes na África do Sul. Sendo que um voto na ONU vale o que vale.
Muito mais a favor do apartheid fez a Alemanha, que na ONU votava (segundo o que dizes) a favor do recurso à luta armada, e depois, nos bastidores, vendia armas ao regime.