04 novembro 2013

métodos de educação

no filme anterior tinha reparado nisso, e o mais recente mostra-o com ainda mais clareza: há diferenças muito interessantes no modo como as crianças reagem à afirmação "comi os teus chocolates".

Proponho uma adivinha: ver o filme, e imaginar quais são os pais que educam os filhos segundo a cartilha pedagógica de que já aqui falei há dias. Imaginar também que tipo de educação conduz às reacções das crianças a partir de 4:15.





4 comentários:

gralha disse...

Por acaso discordo. Tenho dois filhos, com a educação tão semelhante como faz sentido com duas crianças diferentes: um teria chorado baba e ranho, o outro teria aceite docemente. Não é só a cartilha pedagógica dos pais que dita a capacidade de lidar com a frustração das crianças.

Helena disse...

Não é só, mas ajuda muito.

E a cartilha errada também condiciona os miúdos numa direcção que não os ajuda a tornarem-se maduros e equilibrados. Já leste as máximas pedagógicas que ali estão? Eu ouvi algumas delas, e torço-me toda só de me lembrar disso. Se os meus pais sequer sonhassem o que estavam a destruir quando se saíam com essas tiradas...

Os meus filhos também são incrivelmente diferentes. Nessas idades, nem sei como reagiriam se lhes fizesse uma maldade destas (é verdade que dava ao "Halloweenman" 3/4 daquelas porcarias que lhes davam; deixávamos as guloseimas fora da porta, e eles aceitavam isso sem crise) mas, independentemente das diferenças entre eles, se eu dissesse que tinha comido os chocolates, nenhum desatava a atirar coisas para o chão e a dar pontapés e murros na mobília e em mim.

gralha disse...

Doces e travessuras à parte, aquelas máximas são assustadoras de tão actuais para muito boa gente. Então a do "dou-te uma boa razão para chorares" ainda me faz encolher o pescoço.

Helena disse...

Essa, sim, horrorosa.
Também tenho uma especial predilecção pelo "eu endireito-te, nem que seja com uma carga de porrada". Às vezes leio-a num blogue muito famoso da nossa praça.
Por isso me dou ao trabalho de andar nesta cruzada: isto ainda está tão entranhado nas pessoas, que elas até se gabam!