22 março 2012

tertúlia pela democracia e cidadania






Esta manhã, ao ler no facebook que no Fundão se organiza uma Tertúlia pela Democracia e Cidadania, estaquei na palavra "tertúlia". Esquisitice minha, claro, que adjectivo tertúlia com leve. A ser assim, uma tertúlia parece-me pouco. Parece-me que a Democracia portuguesa precisava era de ser internada na melhor unidade de cuidados intensivos - se as houvesse para as Democracias.
Em não as havendo, pois que se comece por tertúlias, e que sejam muito participadas. Participação é preciso, sair da "zona de conforto" do cinismo e do cepticismo, olhar para exemplos que já há, acreditar que é possível mudar para melhor.

***

Esta semana, a turma do meu filho - miúdos pelos quinze anos - teve como trabalho para História escrever duas páginas A4 sobre o centro de informação do memorial do Holocausto em Berlim. Cada aluno tinha de descrever e analisar a informação disponível e a lógica subjacente à exposição, confrontar essa análise com um discurso de um vice-presidente do Parlamento alemão sobre este tema, sugerir o que poderia ser melhorado. Surpreendeu-me: a escola não queria uma descrição da informação disponível, mas uma análise da forma escolhida para passar essas informações, tendo como referência princípios fundamentais da República.
Ao ler a seriedade no trabalho do meu filho, mais uma vez me dei conta de como a construção da Democracia é um trabalho árduo, quotidiano e incansável, para recomeçar sempre e sempre e sempre.  

Benditas escolas, estas, que trabalham para que cada aluno se entenda como alicerce fundamental da Democracia.

2 comentários:

Anónimo disse...

Boa tarde Helena,
Em que disciplina pediram esse trabalho?

Pedro

Helena disse...

Olá Pedro,
foi para História. Os alunos foram em visita de estudo ao centro de informação, e receberam essa tarefa como trabalho de casa.