29 março 2012

então agora escreve-me um texto sem a letra M...

Segundo notícia de blogue da CNN, nas escolas públicas de Nova Iorque há instruções para banir dos seus testes "palavras sensíveis" do género: divórcio, religião, dinossauro, aniversário, Natal, televisão.

Isto é tão louco que a culpa só pode ser do Acordo Ortográfico!
(esta ainda é a fase de fazer do Acordo Ortográfico nosso bode expiatório para tudo, não é?)

Se não se sabe escrever dinosaur (dinossaur?), religion ou relijon, Halloween ou Halowin, etc., a escola facilitista dos EUA opta por tirar as palavras que são difíceis de escrever, para dar boas notas aos alunos das classes desfavorecidas. E pronto, está tudo explicado. É por causa da igualdade de oportunidades, e daquele presidente socialista que há agora na Casa Branca.

Eu gosto destas coisas. Gosto que o Houaiss tenha retirado palavras "desconfortáveis", deixando no seu lugar o absurdo vazio, gosto que a escola pública seja obrigada a escrever textos à laia do jogo de não poder dizer "não" e palavras onde apareça a letra m. E agora vou acabar com a gracinha de eu própria escrever todo um texto sem a letra m, porque o remate é importante e tem de ser dito com todas as letras:

Porque tudo isto nos confronta com a estupidez do exagero e da confusão entre tolerância e auto castração, obriga a pensar, e talvez conduza a uma mudança consciente.

2 comentários:

Maria do Ceu disse...

Quando a mudança consciente acontecer já muiiiiiiiiitaaaaaa estupidez foi plantada, deu frutos e tornou obesos os seus consumidores.

Talvez por isso, segundo o AO, passaremos de espectadores a espetadores!

bjs ;)

Helena disse...

Mas olha que há coisas boas pelo meio, Céu.
Outro dia estava a ver um filme da visita do presidente da República Portuguesa à Inglaterra, nos anos 50, e na descrição das pessoas que participam na recepção pode-se ler:
"two black VIP's"
Vá lá que hoje em dia já ninguém se lembrava de escrever uma coisa destas.