25 março 2012

e porque hoje é domingo, e falei nos sem-abrigo...

Mudei a minha perspectiva em relação aos sem-abrigo quando vivi nos EUA.
No país das infinitas possibilidades, era muito claro que qualquer um estava sujeito a ir parar debaixo de uma ponte numa questão de semanas. Olhava para os sem-abrigo, pensava "podia ser eu". À porta do nosso supermercado havia um, sempre o mesmo. Dava-lhe um pouco da comida que tinha comprado para nós. E sobretudo, olhava-o nos olhos - que era uma coisa que antes, na Europa, não fazia.
Uma vez (hoje é domingo de manhã, acho que posso contar histórias de mãe babada) deixei os miúdos no carro (não sabia que era proibido) (e foi antes da Maddie) e fui num instantinho ao supermercado. Quando voltei, o sem-abrigo disse-me com os olhos marejados: "your kids are so sweet, m'am".
Depois percebi, e deve ter sido uma cena linda: os dois dentro do carro a olhar para o sem-abrigo, a falar um com o outro, a rebuscar os bolsos e sacos em busca de moedas, as moedas na palma da mão e eles a olhar para o sem-abrigo, a sair do carro para lhe dar tudo o que tinham.

5 comentários:

sem-se-ver disse...

tal filhos, tal mãe, portanto.

Helena disse...

sim, esforçam-se bastante para me melhorar...
;-)

Carlos Azevedo disse...

lindos meninos -- a sério! :-)

Helena disse...

Carlos:
:)

(é daquelas cenas que me fazem pensar que a vida é bela)

Carlos Azevedo disse...

Claro que sim, Helena. :-)

E, acreditando eu que a educação tem um papel muito importante nos valores das crianças, acredito igualmente que há coisas, como a bondade e a generosidade, que são inatas.