14 março 2011

ecos da manifestação de 12 de março na imprensa em alemão



(daqui) Protestavam contra uma "distribuição injusta da riqueza" em Portugal e contra as más perspectivas de futuro para os jovens. Portugal é o país mais pobre da Europa ocidental. O governo socialista de Sócrates apresentou na sexta-feira passada novas medidas de poupança para saneamento das finanças.


Não encontro mais que isto, sensivelmente o mesmo em todos os jornais que vi na internet informando sobre essa manifestação. Não houve reportagem na TV.
Azar o da "geração à rasca": as terríveis notícias que nos chegam do Japão abafam todas as restantes.

Azar maior o dos líbios: a coberto da ameaça atómica que desvia as atenções, o Khadafi lá vai atacando cidade após cidade.

Ecos disto tudo em mim: tenho de ir ver como é aquela coisa da máquina de lavar a roupa que funciona a pedais. Em vez de gastar dinheiro no ginásio: lavava a roupa, fazia exercício e não gastava electricidade. Sempre seria um começo...

8 comentários:

jj.amarante disse...

Não vejo grande futuro nos pedais para lavar roupa. Um ser humano consegue produzir cerca de 200W "http://en.wikipedia.org/wiki/Human-powered_transport", só omotor da máquina tem mais do que isso, para não falar da resistência de cerca de 2kW para o aquecimento. Já ter que esperar que apareça o vento para baixar o preço em tempo-real da electricidade e aproveitar a oportunidade parece mais verosímil.

Helena disse...

e que me diz do cyclean?

http://www.thehumanpoweredhome.com/gallery

Ou de ter os ginásios todos equipados com baterias carregadas pelas pessoas que lá estão a pedalar furiosamente...

Não estudei isto muito a sério, mas algo me diz que se pode mudar alguma coisa.

Quanto à máquina de lavar: vi uma vez um programa sobre um alemão que resolveu criar soluções alternativas para si próprio. Uma das imagens que retive foi justamente ele sentado em frente à máquina da lavar a roupa, pedalando pedalando.

(estou aqui a falar, mas não sei quanto é que o meu computador gasta... ou cada pesquisa que faço no google - e são muitas por dia)

jj.amarante disse...

As regras são simples: gestão de informação gasta muito pouco, iluminação também pouco, motores gastam assim-assim, aquecimento de ar e de água gastam muito. Procuras na net não gastam praticamente nada, nem pense em preocupar-se com isso. Poderá talvez instalar um micro aero-gerador na sua futura casa e ligar as máquinas (automaticamente) quando chegar a brisa. Verifique bem que o o nível de ruído do aerogerador é baixo.

Cristina Torrão disse...

É verdade, a geração à rasca não provoca notícias no estrangeiro. A culpa é do Japão e da Líbia, sem dúvida. Mas a "culpa" é também do facto de os portugueses, nessas coisas, serem um povo surpreendentemente cheio de civismo e dispensarem a violência.

Se se tivessem incendiado carros, destruído montras e havido "combates" com a polícia, como na Grécia, ou em França, com certeza que teriam direito a algum tempo de antena. Apesar do Japão. Apesar da Líbia.

Helena disse...

Cristina,
é isso que me faz pena neste "timing": teria sido tão importante mostrar esta manifestação no estrangeiro, mostrar como os portugueses conseguem ser tão diferentes!

Cristina Torrão disse...

Inspirou-me para um post, Helena. Mais logo dou-lhe o link ;)

Cristina Torrão disse...

Aqui, Helena:

http://em2711.blogs.sapo.pt/1274729.html

:-)

Helena disse...

obrigada!