08 março 2011

e já que hoje é o dia não sei quê das mulheres

E a propósito deste texto no É tudo gente morta, sobre a crónica "faz favor, menina", de Maria José Casa-Nova (que só pode ser lida online por assinantes do Público), deixem-me dizer que acho muito estranho o modo como alguns portugueses falam da chanceler alemã quando estão zangados com ela. Por tudo e por nada, é a frau Merkel. Para mais, "Frau" com minúscula - ou por ignorância ou para requinte da humilhação. Porquê "frau"? Em Portugal a norma é referir o título académico das pessoas, quando o têm - o que é o caso.
Alguém imagina que se o chanceler fosse um homem as pessoas se lembrariam de o tratar por Herr, alguém se lembraria da formulação "Sócrates não tem de ir prestar contas ao herr Kohl"?
Será que sou a única que sente este "frau" como uma maneira de sonegar respeito e importância a uma mulher poderosa?

7 comentários:

jj.amarante disse...

Por mim falo, é provável que seja insensibilidade ao tema das maiúsculas. Até os nomes andam a perdê-las...
jj.amarante

camalees disse...

Cara Helena trata-se de pura ignorância aliada a um fortíssimo preconceito anti-germânico. Eu também me assusto quando leio os horrores que se escrevem sobre a Alemanha e a chanceler. Haja paciência. Muita.

Helena disse...

Parece-me que escrever Frau ou frau é o menos relevante - nem todos conhecem esses detalhes da cultura alemã (eu própria nunca sei se se escreve dr. ou Dr. antes do nome, em Portugal).
O que me incomoda imenso é usar o "frau" para desvalorizarem uma política. Se fosse para desvalorizar o Schröder, não diziam "Herr Schröder", tinham de inventar outra coisa (porque ser "Herr" não é desvantagem). Digamos: o maricas do Schröder, o nazi do Schröder, o metro e meio, o amigo dos russos...
(atenção: eu disse *inventar* algo que o desvalorize, não disse que o Schröder é assim)

Quanto aos horrores que se escrevem contra a Alemanha e a chanceler: às vezes lembram-me crianças mimadas a berrar e a dizer que a mamã é muito má, só porque não receberam o chocolate que queriam. Não é que a Merkel esteja a ser um agente político europeu excelente, com visão e arrojo (infelizmente está a anos luz do que devia ser, nesta fase crítica da Europa), mas o modo como escolhem criticá-la é muito pobrezinho.

Paulo disse...

Eu escrevo "Frau" com letra grande e, quando me refiro à Frau Merkel, faço-o sem qualquer depreciação. Muito menos por ela ser mulher. Os Alemães também se referem a ela desse modo.
Por outro lado, acho bonito tratarmos os nossos governantes por Sr. ou Sra. e esquecermos os títulos académicos.

Helena disse...

Ó Paulo, não me venhas estragar a "economia discursiva"! ;-)

Os alemães dizem cada vez mais "Angela Merkel", como falavam do "Gerhard Schröder" e do "Helmut Kohl".

Por outro lado, acredito sem problemas que tu digas "Frau Merkel" sem a menor intenção de a depreciar. Há "Fraus" e "Fraus", desconfio.

A. Castanho disse...

O "camalees" já disse tudo. Os portuguesitos deveriam era fazer mais vezes férias na Alemanha. Se o fizessem, e bastante ao contrário do que imaginam, seriam seguramente um Povo muito mais educado (e muitíssimo menos preconceituoso!)...


Infelizmente, desde sempre preferiram fazer as suas férias em não-lugares (no início era Torremolinos, Marbella e Benidorm, depois passou-se à fase Rep. Dominicana, Cancún e Bali...), onde nada se aprende, ou ainda pior, onde o mais que se faz é desaprender...


Pena tenho eu de só conhecer ainda três Cidades alemãs (embora todas muito diferentes!): Berlim (a nova Capital federal), Berlim-Oeste e... Berlim-Leste (a capital da antiga R. D. A.).

Helena disse...

hahahaha!
Até me lembra a Christina, com seis anos, a dizer que já conhecia 3 cidades americanas: San Francisco, LA e Downtown.