30 setembro 2015

gigante (1)

A palavra mágica do dia, na nossa Enciclopédia Ilustrada, é "gigante".

Gigante.

Os meus 1,78 m, acrescentados muito a muito durante a infância e adolescência em Portugal, não me deram uma vida fácil.

Nos anos 70 chamavam-me girafa, escadote ambulante e, claro, gigante. Ou gigantone. Encolhia-me como podia, o inferno são os outros, já lá dizia o Sartre (será que também era alto? ou seria por causa dos olhos? na aldeia da minha avó havia um rapaz assim, chamavam-lhe o Mirónorte).

Eu bem dizia que era média, os outros é que eram pequenos. Não adiantava muito: os outros estavam em vasta maioria e, aparentemente, a pequenez da altura também se reflectia no cérebro. Riam-se de mim.

Já era suficientemente mau, mas é sempre possível ficar pior.

Os dias de chuva, por exemplo. Eu a passar pelo meio dos guarda-chuvas, e a água a escorrer deles com toda a pontaria directa ao meu pescoço.

As cozinhas com a sua altura standard, as dores de costas para lavar a louça, ou então lavar a louça de pernas escanchadas, o que parece mal numa senhora.

As camas de ferro na casa da minha avó, eu a dormir com os pés enfiados entre as varas da armação. Nem sei como é que nunca apanhei pneumonia nos pés!

As fotografias ao lado dos amigos, nas quais apareço toda torta com as costas em S, a tentar não ficar uma cabeça acima deles. Agora aprendi a dobrar os joelhos, de modo que fico na imagem com as pernas curtas, as saias pouco acima dos sapatos: pareço uma anã gigante.

Casei com um alemão. Um amigo meu, ao ver que ele é mais baixo que eu, comentou: "disso, também cá temos!"

A minha filha cresceu ainda mais alta e mais depressa que eu. Aos 13 anos disse-me que já lhe bastava, queria tomar alguma coisa para parar o crescimento. Fiquei cheia de dúvidas sobre possíveis efeitos colaterais, e não lhe dei. Ainda hoje não sei se fiz bem ou mal - em todo o caso, já é tarde. Os pais têm muitas vezes demasiado poder. E ninguém nos prepara para isso.


2 comentários:

jj.amarante disse...

É tentar arranjar um holandês (BBC: A nation of tall cheese-eaters). Será que comeu quantidades excessivas d equeijo?

Helena disse...

Aaah, meu rico queijo Limiano!
A culpa é dele?