02 dezembro 2013

"Não vale a pena viver num país em que o Estado não proteja a identidade cultural do seu povo."



José Riço Direitinho entrevista a escritora norueguesa Herbjørg Wassmo:

- Para uma língua com cerca de cinco milhões de falantes, a literatura norueguesa tem uma projecção singular. Isso deve-se apenas a uma questão de política cultural ou o número de bons escritores é realmente elevado?

- Há de facto muitos bons escritores, mas talvez isso também se deva às condições oferecidas. De cada novo livro que aparece, o Estado compra cerca de mil exemplares para distribuir pela rede de bibliotecas públicas. Depois há o trabalho de promoção das obras no estrangeiro. Isso permite que a qualidade possa ser facilmente apreciada por editores de outros países. O Estado tem de ser o primeiro a reconhecer que os artistas têm o direito de trabalhar e de viver com dignidade, não têm de passar fome. Isso é essencial. Não vale a pena viver num país em que o Estado não proteja a identidade cultural do seu povo.



A entrevista completa pode ser lida aqui: Escrever contra o silêncio.

(foto: Público)

1 comentário:

M D Roque disse...

Goatei muito de ler esta entrevista, que desconhecia. Obrigada por publicá-la e Festas Felizes

acontarvindodoceu.blogspot.pt