04 fevereiro 2013

Rosa Parks - 1 de Dezembro de 1955


A Joana Lopes conta:

Rosa Parks nasceu em 4 de Fevereiro de 1913 e morreu em 2005. Ficará para sempre como um dos símbolos do movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos, juntamente com Martin Luther King, e ficou famosa por ter recusado ceder o seu lugar no autocarro a um branco, no dia 1 de Dezembro de 1955. Foi então presa mas, em poucos dias, os negros de Montgomery organizaram um boicote à discriminação nos autocarros, que durou um ano, e ganharam a batalha. Até aí, eram obrigados a ocupar os lugares traseiros e a cedê-los aos brancos se o autocarro enchia.

Em 1955 era já praticamente o meu tempo - nasci oito anos depois. Mas parece-me um tempo tão remoto!

Ou talvez não...

1. Há meia dúzia de semanas, um amigo meu, mestiço, tentou a noite berlinense. Foi-lhe recusada a entrada em cinco bares consecutivos. Eram três amigos: um branco, um preto, um mestiço - todos com curso universitário e bons empregos, bem vestidos. Para não haver dúvidas, no quinto bar o branco do trio foi à frente, e não houve problema. Mas quando disse "ah, aqueles dois também estão comigo" a porta fechou-se outra vez.
O nosso amigo comentava: "se fosse na província... mas em Berlim?!"

Eu acrescento: é muito triste ele já ter aceitado que na província tem de se sujeitar a estas humilhações, e é muito triste eu ter explicitado que os três têm bons empregos - como se o que se esperasse de um preto é que tivesse um mau emprego e um estilo que não prestigia um bar.

2. Uma amiga contou-me que durante uns tempos usou como fotografia no facebook a imagem de uma artista africana. O tom daqueles que não a conheciam pessoalmente mudou logo. Começaram a tratá-la de forma bruta, arrogante e desrespeitosa.

6 comentários:

Interessada disse...

No outro dia pus um vídeo da Lura e não tive qualquer comentário.Pensei que não tinham gostado, mas agora ocorreu-me que pode ter sido uma questão de racismo.
Vou experimentar a pôr de outro ;)

Helena disse...

Interessada, onde pôs esse vídeo?

jj.amarante disse...

Que forma tão elegante de descrever a chegada ao meio século de existência! Eu sou um bocadinho mais antigo mas tive a noção muito nítida que "um século", que sempre tinha sido para mim como que uma eternidade, afinal era só o dobro da minha existência e agora já nem isso! E quando estive no Brasil, com algum receio de toda aquela violência, pensei que lá a escravatura foi proibida na lei apenas em 1888, o meu avô poderia ter nascido escravo por lá se fosse brasileiro.

Helena disse...

Ainda não cheguei lá, tenho quase um ano inteiro à minha frente! :)
Mas passa num instante, é verdade.
E também comecei a dar-me conta de como um quarto de século ou meio século passam num instante. Tanta coisa que já é "antiga" e aconteceu já eu tinha saído da universidade!
E assim vai a vida...

Gi disse...

Essa história que contas entristece-me. Não imaginava.

Helena disse...

Pois é, Gi. Até pensei sugerir à Spiegel TV que fosse com uma câmara escondida filmar essas cenas. Mandar dois grupinhos vestidos com o mesmo estilo, mas com gente "de cor" num deles. E ver o que acontece.