27 janeiro 2013

Portugiesendisko

Não somos produtores de vinho do Porto, mas já participámos nas vindimas e nos engarrafamentos da Quinta de Santa Eufémia, e temos de lá recordações tão felizes que quase sentimos como nosso o vinho que esses amigos fazem. Pelo que outro dia nos vangloriámos perante o Wladimir Kaminer de ter um vinho do Porto "daqui" (de trás da orelha) (de onde virá este gesto?), e ele desafiou-nos: se levássemos uma garrafinha desse vinho para a Russendisko, ele passava lá alguma música que nunca lá se ouviu.
Ontem levámos o vinho, um LBV de 2005, e então, pelo meio de músicas como esta



e esta



apareceu esta



e outras, de que gostei mas não me lembro quais eram, porque não as conhecia. Vinham num CD que uma portuguesa lhe deu em Lisboa, quando ele apresentou o seu livro Viagem a Tralalá. De regresso a Berlim, o Wladimir mostrou o CD ao seu sócio da Russendisko, o Yuri; a música foi muito elogiada por ambos. Pelo que provavelmente não foi esta a última vez que a Russendisko teve um bocadinho de Portugiesendisko. E o mais engraçado é que só estando muito atento se percebe que não é russo, mas português.

A certa altura o Wladimir pediu ao Joachim que lhe fosse dar uma ajudinha, porque tinha de sair por uns momentos. Música portuguesa na Russendisko passada por um alemão, e uma amiga nossa a dizer-me "tens de ir pedir um autógrafo ao DJ!". Às vezes a globalização tem piada.

Pequena introdução para quem só agora chegou a este blogue: o escritor Wladimir Kaminer, um russo (entretanto de nacionalidade alemã, não pensem que estas coisas é só no futebol) que vive em Berlim desde 1990 e escreve em alemão, é também animador da Russendisko, no centro de Berlim - uma discoteca com música russa e ambiente alegre e descontraído, no Café Burger (Torstraße 60), no primeiro e no terceiro sábado do mês. Volta e meia aparece lá a televisão, ou um jornalista qualquer, mas de um modo geral o que se vê é gente a dançar aos saltos no meio da pequena sala com papel de parede estilo palácio barroco dos anos setenta, enquanto uma televisão no canto mostra desenhos animados soviéticos, tudo muito bem misturado pelas luzes deslizantes do globo espelhado.