12 setembro 2012

não é por aí, pessoal!



Tenham paciência, pá, mas estas coisas são manipulações do mais barato que há.

A troika veio porque o Estado português estava a meia dúzia de semanas de não poder pagar os salários dos médicos, professores, etc. nem as reformas, nem nada - já não se lembram?
Se nessa altura alguém emprestava dinheiro a Portugal, era por juros muitíssimo mais altos que estes negociados com a troika.
Sem a troika, não estávamos em depressão, tínhamos mergulhado instantaneamente no caos total. Se aceitámos a troika, foi porque não havia outra saída.
Não venham agora com filmezinhos simplistas tentar iludir-nos que estaríamos agora muito melhor se a troika não tivesse vindo.

Que tal fazer um esforço para separar o bebé da água do banho?

4 comentários:

Baltazar Garção disse...

Errado, cara Helena. A "troika" veio porque os Bancos precisavam dela. O simplismo consiste em esuqecer que, em meia dúzia de semanas, qualquer PEC 4, por exemplo, teria evitado esta TRAGÉDIA que se abateu sobre Portugal!

Esse é que é o bé-bé e já vai a milhas pelo coletor fora, a caminho do mar alto em grande velocidade, e a água do banho, de tão porca, entupiu o ralo e ficou a empestar a casa inteira!


Agora, a única solução realista e não "simplista" começa, primeiro, por partir sem dó nem piedade a casa-de-banho de alto a baixo!


Desinfectar as paredes, desratizar os armários, desbaratizar tudo e construir um lavabo inteiramente novo.


A "troika" no fim até vai aplaudir, com o seu reconhecido realismo (que em linguagem troikiana equivalerá sempre a cinismo...).


Este Mundo não é para "empatas". O Futuro não espera e daqui a dez anos a nossa geração entrega definitivamente a "pasta", que está outra ansiosamente à espera de vez...

Helena disse...

E o Baltazar Garção acha que os mercados, depois de terem farejado o sangue na Grécia, se iam deixar domesticar por um PEC 4?
Quantos PECs seriam precisos para os mercados nos emprestarem dinheiro a 5%?

A propósito: quantos portugueses estão dispostos a emprestar as suas poupanças ao Estado português por um juro abaixo de 5%? Mas os outros é que são os agiotas, não é?...

A. Castanho disse...



Pois é, Helena, agora nunca ninguém saberá, por isso é pura estultícia especular...

O que temos por certo é o resultadão que a "troika" está a dar! Claro que, concedo, a culpa é mais dos "artistas" de Lisboa (S. Bento e Belém emparelhados), do que propriamente dos pobres tontos da "troika", que mais parecem náufragos num oceano de imprevisibilidade sistémica...

Paulo disse...

O texto da Gi vai no sentido do teu.