10 julho 2012

correio das ilhas III (15)

Bom dia!

Tenho-me esquecido de contar que nos deram o quarto onde o Eugénio de Andrade gostava de ficar. Em frente a umas árvores centenárias, de copas frondosas a esconder o rio. "Passo a noite a conversar com elas", dizia ele, "são as minhas amigas". Um dia, alguém veio e cortou as árvores, e ele deixou de vir.
Nós dormimos no quarto dele. A nossa amiga, amorosa, diz que o quarto não é dele, é nosso. Hei-de mandar fazer uma placa, "Aqui dormiram em Julho de 2012..."
"Dormiram" näo conta a verdade toda, claro, mas também não é preciso contar tudo (os livros que lá tenho lido, por exemplo - ou estavam a pensar outras coisas, heinhe?).
Vou pedir licença ao Luís Novaes Tito para o plagiar, e mando escrever na placa: "já fui feliz aqui".
(Hei-de perguntar ao pedreiro se me fazem um desconto de grossista, porque tenho muitos sítios onde largar a mesma exclamação)

1 comentário:

Luis Novaes Tito disse...

Na barbearia também se fazem placas em pedra. Aliás, pelo andar da carruagem, qualquer dia é mesmo só lápides que lá se fazem.