16 maio 2012

o que a televisão não conta

O Wladimir Kaminer apareceu no Câmara Clara de ontem.
O problema é o de sempre: nunca ninguém me pergunta nada.

Por exemplo, aquela história do sonho dele, em criança. Perguntaram-lhe: como é que se sente melhor, em frente a uma folha de papel branca, ou a pôr CDs na russendisko? Ele respondeu "nem uma coisa nem outra", pensou um bocadinho mais e desatou a rir. Olhava para a Olga, e ria mais ainda. E depois: "o meu sonho, já desde a infância, era..."
É pena não ter sido possível dar esse contexto de riso e olhares de cumplicidade à frase "das limpezas, ocupa-se a minha mulher".

Claro que agora me vão responder: ó Heleninha, não percebes nada de televisão, ó Heleninha, mas reparaste ao menos que bonito que ficou aquele filme que brinca com os módulos gráficos da capa? Pois não percebo, pois reparei. Mas, contudomente...

(E agora, a revelação do dia: das limpezas, ocupa-se um "homem a dias" russo, que pela descrição deve ser fantástico. Fantástico em muitos aspectos, e calateboca.) (E mais uma revelação do dia: ganhar dinheiro sem trabalhar é uma maneira de dizer. Nos dias a seguir à viagem, enquanto eu tentava recuperar do cansaço, o Kaminer participou numa conferência sobre o Matthias Rust - sim, era ele que estava no posto de radar quando aquele rapaz saiu num aviãozinho da Alemanha Ocidental para ir aterrar na Praça Vermelha -, foi a Estrasburgo, a Praga e a Bona. Este foi o seu programa de terça a sábado.) (Aliás: ele só arranjou tempo para ir a Portugal durante a Feira do Livro de Lisboa por uma enorme coincidência: o filho fazia anos no princípio de Maio, e não conseguia decidir se queria festejar na quarta ou no sábado. O pai deixou a semana mais ou menos livre, para poder estar presente na data que o filho escolhesse. O miúdo marcou para quarta, o sábado estava livre. Depois foi só desmarcar uma ou outra coisita...) (Não sei se a tinta-da-china acredita em Deus, mas como se vê Deus deve ter um grande amor à tinta-da-china.)

5 comentários:

Paulo disse...

Contudomente, o Kaminer há-de ter dito muito mais coisas e mais importantes que as que o Câmara Clara escolheu para mostrar em meia dúzia de segundos.

Também já assisti à gravação de uma entrevista que durou cerca de meia hora e o programa mostrou dela a mesma meia dúzia de segundos, desenquadrados, e nem sequer os melhores. Claro que também não me perguntaram nada.

Anónimo disse...

Helena

Eu vi o programa. Soube a muito, muito pouco...

Fica-se a saber mais pelo seu interessantíssimo blog e pela sua elevada escrita.

Maria

Nota: Tenho de ler o livro

Helena disse...

Pois é, uma chatice a austeridade ter dado também na informação...

Maria, obrigada!
Se gostou dos pequenos textos dele que já traduzi aqui, tenho a certeza que vai gostar do livro.

Lutz disse...

Pois, já estava a espera de que iriam cortar muito e fazer uma montaqem. A escassez de informação face ao muito que ele disse nem lhes levo a mal, mas que escolheram uma piada que não tinha a ver com o livro e, como bem notaste, despido do seu contexto, em vez de muitas outras coisas interessante que disse, é mesmo uma pena. Enfim...

Helena disse...

Isso mesmo: enfim...
Espero que as entrevistas aos jornais tenham saído mais completas.