28 abril 2012

ensaio geral

A música continua.
Esta manhã assisti ao ensaio geral de um concerto, com alguns amigos.
Trocava com eles olhares de encantamento, olhava para os músicos no palco, ouvia a música - e uma onda de gratidão crescia em mim: a vida é tão boa!
O concerto de hoje chama-se "Luto e Consolo". Começa com Johan Helmich Roman »Herren känner de frommas dagar« – música para o funeral do rei Frederik I. (1751). Segue com um salto de mais de duzentos anos, Ingvar Lidholm »... a riveder le stele« para coro a cappella - muito bom.

...a riveder le stele:

But night again is rising; time is now
That we depart from hence. We have seen all.
The Guide and I, entering that secret road,
Trailed to return into the world of light,
Nor though on any resting-place bestowed.
We climbed, he first, I following, till to sight
Appeared those things of beauty that heaven wears
Glimpsed through a rounded opening, faintly bright;
Thence issuing, we beheld again the stars.

Divina Comédia, Canto XXXIV


Depois do intervalo, Georg Friedrich Händel Concerto grosso F-Dur op. 6
e Johann Sebastian Bach »Ich hatte viel Bekümmernis« – Cantata para solistas, coro e orquestra BWV 21 - com momentos sublimes. Gostei especialmente da parte do "não!" "sim!" "não!" "Ja! Ich liebe Dich!" - parecia o Deus de Taizé.



O maestro, Olof Boman, é um sueco com corpo de atleta (eu a pensar que o Cesário Costa era o único que ainda não tinha sido alargado pela música - como o Rattle ou o Dudamel, para falar só dos que vi recentemente - mas afinal parece que ainda há mais focos de esperança entre os maestros) e graciosidade de bailarino. Às vezes ia até ao fundo da sala para lhe sentir a acústica, depois corria ao longo do corredor central e de um salto subia para o palco, saltando um bom metro de altura. Gostei de tudo: da camisa preta, do corte dos jeans, do cinto cognac, das sapatilhas azulão, do corte do cabelo. Aaah, a música!
E em certo momento, quando ele descaiu a anca num dos seus graciosos movimentos, dei-me conta que estava a pensar numa estátua do Museu Antigo. A do Torso of Doryphoros by Polykleitos of Argos (nem sei porquê, verdade seja dita...):


Ou seja: passei esta manhã a pensar pecados. Não sei que me deu. Se calhar é porque por aqui rebentou a Primavera, as ruas estão cheias do verde tenro das árvores, os passarinhos etc., e uma mulher não é de ferro.

4 comentários:

Anónimo disse...

;-)

snowgaze disse...

Pecados??? Olha que o rapaz da estatua e' muito pouco abonado, isso nao da' para pecar. :P
(deixa la', o meu comentario e' so' inveja por nao poder ir 'a russendisko.)

Helena disse...

Pois é, snowgaze, e falta-lhe algo muito importante para um maestro.

(o polegar direito, para segurar a batuta, e o braço esquerdo para ajudar a desenhar bem a música)

Mas tu podes ir à russendisko em Berlim, só tens de fazer por vir cá num dos fins-de-semana em que ele a faz.

snowgaze disse...

Pois é, temos de combinar. Desde que a Rita deu aquela dica do chocolate quente que ando com água na boa... ;)