16 dezembro 2011

a história do camelo que chora

Neste dia em que o destino de quase três dúzias de distintos bloguistas se joga na mais famosa Barbearia portuguesa, quero deixar ao Luís os meus agradecimentos pelos momentos de boa disposição que nos proporcionou, e - como não? - também pelo primeiro prémio que o sapientíssimo e excelsíssimo júri me irá atribuir. Obrigada, obrigada, mas que grande surpresa, ora essa, porque se incomodaram?, etc.

E mesmo que este ano o júri erre como de costume, e não se dê conta da absoluta superioridade dos camelos alemães, aqui deixo um belíssimo filme: para quem quiser saborear com muita calma histórias de outro mundo - um mundo de profundo entendimento entre humanos e camelos.

12 comentários:

Jonas disse...

Mas hoje não período de reflexão?

Isto é campanha descarada.

Vou reclamar junto da comissão nacional de eleições de camelos.

António P. disse...

Bom dia Helena,
e parabéns.
Se bem que não valha a pena ter esperanças numa boa clssificação :)
apesar desta sua última tentativa desesperada de destabilizar o júri que está em clausura absoluta.
Quanto ao filme tenho que o ver mnais tarde isto de 1h 27m de divertimento logo numa manhã de trabalho não pode ser.
Bom fim de semana e para o ano há mais

Helena disse...

Ó Jonas,
(hahaha)

então não viste que eu dei uma no cravo e outra na ferradura? Sou ferreiro, deixem-me trabalhar! Acabam com os feriados, e a mim nem nos dias úteis deixam trabalhar?! Mau, Maria!

E, desculpa que mal pergunte: onde anda o teu camelo? Pensei que ias concorrer com "the ultimative" bicho, mas afinal...

Aaah, percebi (finalmente): aquele teu post onde falas das pessoas que acham que não há crise é, afinal, sobre camelos.

Helena disse...

António,
vem uma pessoa com as melhores das intenções oferecer um filme lindíssimo para saborearem nas longas noites de Natal, e vê-se rodeada de ingratas criaturas que, em vez de abrirem os olhos para a sorte que têm, vêm logo todas desconfiadas dizer que não sei quê.

Helena disse...

E direi mesmo mais: cambada de ingratos.

(Ó Senhor Barbeiro, só por causa disto estes meninos mereciam ser desqualificados) (isto, quer dizer: autênticos atentados ao bom nome dos concorrentes) (e ainda: insinuações pérfidas sobre as intenções dos concorrentes, que são tão puras como um camelo branco) (e direi mesmo mais:) (eu dizer até dizia, mas não me ocorre mais nada) (humpf)

Luis Novaes Tito disse...

Toma!
Este ano não houve primeiro prémio.
Toma!
O júri está absolutamente ciente da “absoluta superioridade dos camelos alemães”
E, finalmente, toma!
A coisa, a crise, o memorando, o ratting, o lixo, o EFFE, a troika, nham…nham, nham…nham e nham…nham, fizeram com que não houvesse prémios para ninguém.
Toma lá, que é para aprenderes!

Valha-nos o Natal, os camelos e o mago Gaspar que, mais dia, menos dia, vai voltar a aparecer por aí a dizer que: e…tal… blá…blá… blá…, passa… para…cá…mais….uma… data…de… maçaroca… e a coisa… a crise… o memorando… os mercados… o lixo… etc.

Boas-Festas, Helena.
É sempre um momento feliz partilhar estes momentos consigo e com toda esta gente de bem que, apesar de tudo, mantém a boa disposição.

(e obrigado pelo filme que, tal como o António, irei ver lá mais para o fim do dia)

Helena disse...

Luís,
pois se os camelos alemães são melhores, de que é que está à espera para me dar o prémio? Olhe que a troika, bem conversadinha, concordava. Assim como assim, não tem discordado de nada que seja dar à mulher de César o que é de César...

Espero que goste do filme. Eu gostei muito deste concurso.

Luis Novaes Tito disse...

O César era casado?

Luis Novaes Tito disse...

Toda a gente fala da mulher de César, mas ninguém lhe sabe o nome.

Helena disse...

Era casado, sim senhor. A mulher dele, de seu nome Helena Araújo, continua à espera do muito merecido prémio.

Olhe que ela ainda lhe solta o Cícero às canelas! Vai ver como a retórica morde!

Luis Novaes Tito disse...

Em vez do Cícero, talvez o Sócrates, que está mais perto dessa terra.

Vamos lá a pegar na pá e a trabalhar que é para isso que neva.

Helena disse...

Simpático.
;-)

(Luís, estou aqui com uma gripe que nem queira saber) (mas mesmo sem saber pode ter muita pena de mim)