14 outubro 2011

"no espaço vazio à contra-luz"

Às quatro e meia da manhã, a caminho do aeroporto, passeámos o rádio pela Metropol FM (em turco a partir de Berlim) e pela Russkij Berlin (adivinhem), para o Matthias se despedir da capital alemã. Mas ele preferia a sua querida Fritz, e eu (que tenho tentado - como ele diz a rir - aproveitar estes últimos momentos para lhe deixar uma boa impressão) concedi e até estive tentada a achar que afinal aquela música tinha o seu interesse.

No aeroporto foram óptimos, atenderam-nos no balcão da primeira classe, fizeram vista grossa ao excesso de peso e deixaram-me ir até à porta do avião. O assistente que o veio buscar disparou "já fizeram as despedidas?" e tinha um ar tão convencido que nós tratamos de lhe frustrar as expectativas, adeus!, adeus e boa viagem e até daqui a bocadinho no skype. Não houve dilúvio, afinal.

A Christina em Weimar, o Matthias a caminho do outro lado do mundo: esta casa de repente ficou com dois mil metros quadrados a mais.

(A minha sorte é ter tanto trabalho: vou trabalhar para esquecer)

2 comentários:

Gi disse...

Um beijo, Helena.
A Christina volta já, já, e o Matthias, vais ver, quando voltar não vais ter casa que chegue :-)

(Convence o Joachim a ir jantar fora hoje)

Helena disse...

Obrigada, Gi.
Jantar fora?! A troika também cá bateu (sobretudo depois da minha última passagem pela caixa da filarmonia...)!
O máximo que dava era para um restaurante sueco: almôndegas na IKEA...
;-)