07 junho 2015

a bruxa do lago



Preciso urgentemente de ir nadar para desenvencilhar o esqueleto. Mas não me apetece ir de bicicleta até uma piscina pública pagável, porque ficam todas a uns vinte minutos da minha casa.

O meu negócio é mais Ipanema, viu? Sair de casa já com o fato de banho vestido, chinelos de dedos (e, vá, um vestido qualquer, porque um simples pareo à volta das ancas, no centro de Berlim, é demasiado Ipanema - até para mim) e dar pouco mais que meia dúzia de passos para chegar à água.

Por isso, vou até ao lago todos os dias e perscruto-lhe a temperatura da água. Até me sinto a bruxa do Hänsel, que todos os dias ia ver se ele já estava suficientemente gordinho. Quando é que esta água aquece para eu poder nadar nela?

A bruxa era dada ao tacto: apertava o dedo do rapaz (que lhe dava a apertar uma pata de galinha, lembram-se?). Eu vou mais pelo método visual: a água do lago vai estar suficientemente quente quando no seu azul começarem a surgir muitas manchas cor-de-rosa. 


2 comentários:

Pecola disse...

Eu também estou a precisar - mas ainda mais, do tempo livre para me deixar ir sem trabalho no pensamento.

Helena disse...

Ui, isso!
Domingo, uma da tarde, um dia lindísimo - e que estou eu a fazer?
Pois.
:(