26 maio 2015

um bocadinho de alemão por dia, não sabe o bem que lhe fazia...

(...) "Não gostei nada de um conto alemão que a minha mãe me começou a ler em que uma rapariga se chama Frida. Não quis ouvir esse conto. Nunca o li. Uma rapariga não se pode chamar ferida."

Adília Lopes in Manhã


Ora aqui está um equívoco curioso. Não é "ferida", muito antes pelo contrário: o nome Frida pronuncia-se "Frrridá" e significa "paz" e "soberana" (como diminutivo de Friederike) ou "espírito da natureza" e "força" (como diminutivo de Elfriede).

Não sei qual é o conto que a Adília Lopes não leu, mas, se o nome da rapariga tem algum significado na história, parece-me que perdeu um belo conto. Um pouco de alemão por dia...

(E cá está uma questão curiosa para a tradução: devia ter-se traduzido o nome por Maria da Paz, Vitória ou Ondina, por exemplo?) (E outra questão também curiosa: qual devia ser o preço normal das traduções literárias para o  tradutor ter tempo de pensar também nestas coisas e procurar soluções óptimas, e conseguir pagar as contas ao fim do mês?)

**

ADENDA: chamaram-me a atenção para o facto de, neste meu texto, parecer que a Adília Lopes está a elaborar a partir de um erro. Obviamente, o texto da Adília vale pelo que diz, e muito. Eu limitei-me a aproveitar um detalhe para partir noutra direcção. (Sabem a história do tolo que olha o dedo que aponta as estrelas? Eu podia ser o tolo que olha o mancha na pedra do anel do dedo que aponta as estrelas...)


4 comentários:

jj.amarante disse...

Não me lembro se já referi esta auto referência (acho que do Gödel, Escher & Bach): "This phrase is written in English". Qual a tradução que preferiria?

Helena disse...

Sem saber o contexto da pergunta, arrisco uma proposta precipitada: que me diz de "esta frase estava escrita em inglês"? ;)

jj.amarante disse...

Mudar apenas o tempo do verbo parece-me magistral!

Helena disse...

:)
(Pronto, hoje já estou servida de elogios, já não preciso de mais nenhum!)