05 dezembro 2014

sinestesia


Se me perguntarem, o concerto nº 2 para piano de Rachmaninov, por Weissenberg e Karajan, é assim:



Queria deixar aqui esse concerto, mas infelizmente só está acessível no Digital Concert Hall. À maneira do Gustavo do Erich Kästner, o miúdo que tinha uma buzina e já só precisava da mota para lhe juntar, procurei outras interpretações que combinassem com estas cores.

A Hélène Grimaud desta vez não me ajudou - é demasiado doce:



O Eugénio Kissin é demasiado enérgico para o meu gosto.
A Martha Argerich? Só lhe encontro o nº 3.
Estava nesta busca, quando um amigo me lembrou o ouro da casa: o Sequeira Costa, com Seaman.

Ora aí está! 




4 comentários:

Carlos Azevedo disse...

:-)

jj.amarante disse...

Essas fotos fizeram-me lembrar uma canção do Adamo chamada "J'aime", um pouco melosa mas bonita, em que dizia:
J'aime le calme crépuscule,
Quand il s'instale à pas de loup,
J'aime à espérer crédule,
Qu'il s'embraserai pour nous.

Constatei agora que a música não é suficientemente antiga para não estar na internet: http://lyrics.wikia.com/Salvatore_Adamo:J%27Aime

Helena disse...

jj.amarante,
curiosamente, tirei estas fotografias na praça da Ópera em Yerevan, enquanto esperava que os estudantes dessem início a uma caminhada até ao memorial do genocídio. Foi no dia 23 de Abril, ao anoitecer. O céu parecia traduzir as emoções das pessoas naquela praça.

Paulo disse...

Gostava que houvesse uma gravação do Artur Pizarro, mas não encontro.