16 dezembro 2014

dizem que a juventude não sei quê, mas eu, pela amostra...



Por exemplo, ontem: de manhã, encontrei um recado do Matthias pousado no teclado do meu computador:

"Olá minha querida mãe!
Por favor, podes arrancar-me violentamente da cama entre as 11 e o meio-dia? Tenho uma entrevista para um emprego na Filarmonia.
(Portanto: trata-se de bilhetes gratuitos para ti!!! ;)  )"


Como se tratava de bilhetes gratuitos para mim, acordei-o às onze menos cinco. Ele disfarçou-se de rapaz-homem, de camisa preta e sapatos elegantes, e lá foi, e lá voltou com o emprego.
Perguntei-lhe se tinha dito que já tinha muita experiência em eventos culturais, e ele disse que sim, que falou logo no Cinemagosto.
"Vês como és recompensado por ajudares a tua mãe?", comentei eu. "Por isso, agora vai arrumar a cozinha."

Não foi, a ingrata criatura. Diz que tem de ir tratar de uns papéis de burocracia alemã que eu nem sei o que são, ou se já existem cá em casa.

Fez 18 anos há meia dúzia de semanas. Anda a tratar de todo o processo para ir fazer um ano de serviço voluntário na Costa Rica, arranja os seus jobs sem ajudas - e muito menos cunhas - dos pais, trata sozinho de todas as questões burocráticas, e volta e meia arruma a cozinha sem eu lhe pedir.

Enfim, é verdade que os pais não o ajudam muito, mas a irmã - que passou por tudo isto há dois anos - tem dado bons conselhos e um apoio inestimável. Olho para estes dois, e penso numa frase que ouvi há muitos anos: "é bom ter filhos pequenos, mas não há maior prazer que ter filhos adultos".

(a fotografia foi feita pela Christina durante a "Fahrradsternfahrt" - uma manifestação de ciclistas berlinenses na qual participaram os dois)


9 comentários:

Rosário disse...

Obrigada! Pela gargalhada e pela mensagem.

Helena disse...

:)
(ele também se riu muito quando o tentei convencer que era bom para ele ir arrumar a cozinha...)

Paulo disse...

Isso do emprego na Filarmonia é uma notícia excelente ;-) Acho que nunca mais te arrancam de lá.

Helena disse...

Arrancam, arrancam, triste vida...
Primeiro, é sol de pouca dura: o rapaz já vai para a Costa Rica em fins de Janeiro.
Segundo, nem pensar em fazer alguma coisa que o pudesse prejudicar. Bem jeito me dava ter alguém que me ajudasse a esconder lá um colchãozinho num canto qualquer, mas não vai ser o meu filho. ;)

Paulo disse...

Ah é já em Janeiro! Bem que o moço podia ficar ao menos até ao fim da temporada.

Helena disse...

Deixa-o ir, Paulo. Quanto mais cedo for, mais cedo regressa.
E a Filarmonia aqui à espera dele. :)

Gi disse...

Deixaste-me confusa, é emprego só para um mês? Ou só para quando ele voltar da Costa Rica?
Seja como for, parabéns!

Helena disse...

Não é bem emprego, é mais um job de estudante. É para agora, cinco semanas, e espero que o aceitem de novo quando voltar da Costa Rica, porque é um job fabuloso: pagam-lhe o tempo todo que lá está, mas durante o concerto pode ficar sossegado a ler.

Gi disse...

Muito bom!