30 agosto 2013

"nem ao menos se pode olhar?"




"Olhar" - mais um eufemismo.
Expliquem lá, rapazes: quando sonsamente perguntam se ao menos se pode olhar, estão a fazer de propósito para manter os conceitos suficientemente elásticos para haver espaço para a vossa boçalidade, ou quê?

Eu sei que os homens olham. As mulheres também.
Mas há "olhar" e "olhar". Vejam lá, não se confundam.

(Será preciso criminalizar o marido da presidente da Finlândia por "ter olhado"? Não.
Basta que, perante uma cena destas, seja claro para todos quem é que está a proceder mal.)

(Já contei aqui uma vez: numa rua de Weimar, caminhei durante alguns minutos atrás de uma adolescente que levava uma super-mini-saia, tão super-mini que deixava metade das nádegas à mostra. Os homens pelos quais ela passava olhavam muito disfarçadamente; vi que um fez um sinal discreto a outro, que olhou também pelo canto do olho. Andei assim uns trezentos metros, observando a reacção dos homens: todos viram, mas nenhum "olhou".)

3 comentários:

snowgaze disse...

a parte interessante desse vídeo e' (também), que a senhora (não sei quem e') se sentiu claramente incomodada. Não sei se viu pelo canto do olho ou se simplesmente sentiu o olhar pregado no seu decote (e la' esta', se calhar o homem só estava interessado numa das pedras do colar) e ficou desconfortável, repara como ela não só vira a cabeça para o lado do homem como passa a mão pelo decote, como que a proteger-se disfarçadamente de olhares alheios.

Helena disse...

Sim, a reacção dela é muito interessante.
Também gosto da reacção dele - de repente descobre alguma coisa muito especial no tecto - sinal de que sabe perfeitamente o que estava a fazer.
Mas para mim a parte mais interessante do vídeo é ter sido feito, e ter sido visto por muitos milhões de pessoas no mundo inteiro.
Acho que este cavalheiro vai pensar muitas vezes antes de se interessar pelo próximo decote.

jose disse...

De facto é intrusivo.E a reacção da senhora é tocante.
Acho que podemos ser mais discretos...