12 junho 2013

dois pianos na Filarmonia



Às terças, à uma da tarde, na Filarmonia. Sempre bom.
Ontem havia dois pianos no foyer, e os pianistas Hendrik Heilmann e Nikolaus Resa.

1. Sonata para dois pianos D-Dur KV 448, de Mozart. 

2. Jeux d'enfants op.22 de Georges Bizet
- e que pequena maravilha este "petit mari, petite femme!":




3. Danças eslavas op.46 e op.72, de Antonin Dvorák:



(agarrem-me, que eu ponho-me a ouvir esta música e dá-me vontade de não sei quê, sair por aí em piruetas ou sorrir com uma lagrimita no canto do olho, ou os dois ao mesmo tempo, sabe-se lá) (sou eu, e um bebé que veio dentro da mãe - tanto dançou, que ela conduziu as mãos do pai ao encontro daquela alegria, e de repente só ali estavam eles os três, e a música)






(gosto muito das expressão do pianista que toca os graves, mas o Hendrik Heilmann ontem conseguia ter ainda mais graça: tem um ar muito expressivo e doce, quase zen - isto, se "zen" é compatível com sentir e transmitir cada pedacinho da alma de cada nota, com uma intensidade e graça que arruma comigo)





Depois atravessei a rua e entrei na Staatsbibliothek zu Berlin, para ler livros sobre Parajanov. 



O Bruno Ganz não passou por lá. Ou então andou por outros andares, ou então perdi algures os meus olhos de criança. 



3 comentários:

Catarina disse...

intensidade graça alegria e a biblioteca!
e obrigado pelo op.22 de Bizet : )

Helena disse...

:)

(linda, não é?)

Catarina disse...

é! :)