27 fevereiro 2013

para Stéphane Hessel, et pour cause




O, crois-le, mon cœur, crois-le
Rien n’est perdu pour toi !
Il est à toi, oui à toi, ce que tu as désiré,
À toi ce que tu as aimé
Ce pour quoi tu as lutté
O, crois-le
Tu n’es pas né en vain!
Ni en vain tu n’as vécu et souffert !

(a partir de 1:22:54)

6 comentários:

sem-se-ver disse...

(adoro-te)

Helena disse...

(aaaah...)
E um sorriso.

Interessada disse...

E donde foram retiradas estas palavras que qualquer um gosta de ouvir?
Obrigada pela mensagem :)

Helena disse...

Interessada, é o poema cantado lá para o fim da peça (a sinfonia nº 2, da Ressurreição, de Mahler.
aqui pode-se ler em alemão, inglês e francês: http://en.wikipedia.org/wiki/Symphony_No._2_(Mahler)

(Adoro esta sinfonia. Escolhi esta parte do poema porque não tinha ligação ao cristianismo - não me apeteceu ir verificar se o Hessel era cristão, e não queria fazer aquela cena gaga que fizeram numa homenagem ao Saramago, a falar do Deus que com certeza o receberia etc. hehehehe)

Interessada disse...

É lindíssima, sim. Mas sou suspeita porque não há nada dele que eu não goste.
Peço desculpa porque só agora reparei que nem fiz qualquer procura e lhe dei este trabalho.
Obrigada, Helena.

Helena disse...

Ora essa, trabalho nenhum!
:)