23 novembro 2012

they teach life, sir.

O que se segue é um post roubado quase por inteiro ao blogue sem-se-ver. Indescritível, este poema e esta forma de o fazer sair da dor:





é bom que se perceba muita coisa. a mais básica é esta:

todas as outras advêm daqui.

3 comentários:

Helena disse...

Just José,
o seu comentário não vai ser publicado. Não quero dar aqui eco a esse tipo de debate - e muito menos a esses termos de debate.

Conde de Oeiras e Mq de Pombal disse...



Isto tudo é um horror.

Nós todos somos culpados disto.

Tudo isto tem que acabar quanto antes.

Eu gostava que os meus Filhos um dia pudessem visitar a Terra Santa em paz. Será pedir assim tanto?

Just José disse...

Tudo bem, Helena. Mas eu não estabeleço os termos do debate, a minha mensagem é apenas a realidade dos factos, que tive o cuidado de documentar mas sei que é sempre pouco popular ser tão cruel e tão realista. Se escrevesse aqui algo poético a favor dos palestinianos sei que seria publicado e um sucesso, (se o poema fosse bom, claro)

Mas eu não procuro popularidade nem poesia, procuro a Verdade. E a verdade dos factos não se debate: ou se aceita ou não. E quando não se aceita, a prazo não sucede nada de bom...

Quem me dera que o mundo fosse cor-de-rosa, acredite.

Mais non. C'est la vie.

P.S.: Agora só nós dois é que sabemos! :)