29 novembro 2011

trabalhar ao som de música assim (3)

Esta manhã encontrei no facebook da Isabel Ramalhete um poema:

"De um e outro lado do que sou,
da luz e da obscuridade,
do ouro e do pó,
ouço pedirem-me que escolha;
e deixe para trás a inquietação,
a dor,
um peso de não sei que ansiedade.


Mas levo comigo tudo
o que recuso. Sinto
colar-se-me às costas
um resto de noite;
e não sei voltar-me
para a frente, onde
amanhece."

Nuno Júdice, in "Meditação sobre Ruínas"

Logo a seguir um comentador propunha esta música para acompanhar os versos: My song - Keith Jarrett and Jan Garbarek


E eis que o meu dia começa melhor graças a pessoas que nunca vi.  Sim, que o facebook tal e coisa, mas também é isto.

***

Como habitualmente, o youtube não me deixa abrir aquele link. Lá sigo eu pelo caminho das pedrinhas: video-googleei os nomes, e ponho-me a trabalhar ao som da música que me oferece um site japonês...
Sim, que a globalização tal e coisa, mas também é isto.

(eu nem me importava de pagar os direitos de autor para poder ter acesso aos vídeos - esta comunicação na internet que, aqui na Alemanha, nos leva constantemente a links sem saída, isso é que é duro; o youtube alemão devia abrir contas tipo pay-pall, sempre seria melhor do que é)

2 comentários:

snowgaze disse...

Estou contigo Helena, o youtube na alemanha deve ser a maior fonte de frustrações, mais que o euro e os gregos, o FMI e a crise...
A sério, quando é que esta gente vai acordar e tornar as coisas usáveis? Se a desculpa são os direitos de autor, arrangem um serviço por assinatura... (as oportunidades de negócio que estão a desperdiçar!!!)

Helena disse...

pois é, ms se calhar ainda estão a discutir questões filosóficas, sobre a internet dever ser gratuita, ou não.
Uma questão de princípios.
E nós, no entretanto, a passar mal com os meios...