13 setembro 2011

Russendisko (2)

Revisão da matéria dada: o famoso Wladimir Kaminer, o tal escritor russo berlinense que é como o George Clooney mas para mais bonito, faz todos os meses de DJ num café - é o famosíssimo Russendisko, que deu o nome ao seu primeiro livro.
Da primeira vez que tentámos ir, e já íamos a caminho, já quase a chegar lá, tocou o telemóvel da amiga que ia connosco, e era uma notícia tão trágica que mudámos de rumo.
Depois meteu-se o Verão.
No sábado passado íamos de novo a caminho da Russendisko, quando tocou o telemóvel e era o Matthias a dizer que tinha dores lancinantes de barriga, de modo que mudámos de rumo.
Ainda vou tentar uma vez - nem sei se por ousadia, se por irresponsabilidade. Contudo, se também à terceira vez o telemóvel tocar para mais uma dessas notícias que nos muda o rumo, só haverá uma conclusão a tirar: à medida que vou traduzindo o livro do Kaminer vou-me tornando, lenta mas inexoravelmente, numa das suas personagens.

(da próxima vez vou é sair para a Russendisko sem telemóvel)

3 comentários:

Carlos Azevedo disse...

«(da próxima vez vou é sair para a Russendisko sem telemóvel)»

É melhor! :-)

Helena disse...

Nem mais!

Paulo disse...

Tal e qual.