01 abril 2011

da série "uma aventura"

Já nas bancas: Uma Aventura na Primavera.

Começa com o misterioso caso da roupa que encolheu no armário.

Continua com abordagens várias ao dilema: comprar roupa de Verão para o status quo, ou acreditar que dias melhores virão?

(A esperança é a última a morrer - resiste ainda e muito mais que as costuras.)
(Triste vida.)

11 comentários:

Rita Maria disse...

Fifty, fifty. Uma grande amiga ensinou-me que o rumo dos corpos só se corrige com amor e que aquelas raparigas que estão no ginásio cheias de desprezo por si mesmas nunca irão a lado nenhum. Eu concordo, logo se as roupas não servirem mesmo ou ficarem mesmo mal, do que duvido muito, eu comprava umas novas para ficar bonita na mesma, mas não muitas, porque era coisa de pouco tempo, claro ;)

Helena disse...

:-)

(A Evelin Brandt na Frankfurter Allee está a fazer descontos entre 30% e 70% sobre o preço mais baixo marcado - comprei lá um vestido que nem te digo nem te conto reduzido de 400 euros para 17, etc.)

Rita Maria disse...

Agora nao posso, tenho visitas no fim do mês...a nao ser que as Finanças me devolvam anos e anos de impostos, nesse caso vingo-me com o apoio do Estado...

Helena disse...

Olha que comprei um saia e casaco (com o novo acordo ortográfico chama-se taiôr, não é?) pelo preço de 3 livros de bolso!

Mas confesso que duas horas depois de ter aberto já estava tudo muito escolhido.

Rita Maria disse...

Desde que comecei a ver quantos livros de bolso era cada coisa, quase nao compro nada. Havia uns ténis que queria tanto e custando uma fortuna pareciam-me quase razoáveis mas depois...quê, 13 livros de bolso? Quase três meses de leitura? E lá desisti...

Helena disse...

Medir as coisas por livros, que giro!
Um dia ainda passarás para a fase de "quantos caixotes de mudanças". Eu quase cheguei aí. Estou quase a ser capaz de dar livros que ainda não li e talvez nunca venha a ler.

Paulo disse...

Sabes que palavra me apareceu? "ingua".
Acho que o blogger escolhe as palavras para verificação consoante o tema em debate. Às vezes não acerta, mas fica lá perto.

sem-se-ver disse...

de 400 para 17?

:|

Helena disse...

sem-se-ver,
aquilo já é um outlet. Admito que vão baixando os preços conforme as peças vão ficando mais tempo por lá. Aquele vestido devia ser peça única, e foi parar aos descontos de 70% sobre o preço mais baixo.
Mas parece milagre, lá isso é!

Gi disse...

*arrepio* @ taiôr... brrr

Interessada disse...

Obrigada por me fazer pensar, Rita Maria. E concordo inteiramente com a sua amiga.
A si, Helena, tenho de lhe dizer que também já conheci esses caixotes de mudanças, mas que neste momento da minha vida, em que me está a ser dificílimo salvar a "alma", tenho-os devorado. E julgo que ainda vou precisar desalmadamente de muitos.
Assim se compreende o valor deles e o de um taiôr.